Fala pessoal, estamos aqui novamente para continuar nossa série que fala sobre Kubernetes. Abaixo coloquei a lista de posts criados até o momento referente a Kubernetes, então se não tinha visto o ínicio é só clicar abaixo e ler cada um dos posts.

Conceitos de Kubernetes

Instalação e Configuração

Iniciando um servidor web

Entendendo Pods

Entendendo Services

Entendendo Namespaces

 

Então, o que é ConfigMap? É o desacoplamento dos artefatos de configuração do conteúdo da imagem para manter os aplicativos contidos em container. De forma simples podemos dizer que ConfigMap é um conjunto de pares de chave-valor para armazenamento de configurações, que ficará armazenado dentro de arquivos  que podem ser consumidos através de Pods ou Controllers,. Ele é muito parecido com Secrets, mas fornece um modo de se trabalhar com strings que não possuem dados confidências, como senhas, Chaves, Tokens e outros dados sigilosos.

Os arquivos de ConfigMap, podem ser tanto arquivos complexos que possuem poucas regras, como também arquivos no formato JSON complexos e cheio de regras. Podemos ver alguns exemplos abaixo de ConfigMaps tanto simples quanto complexos:
Podemos ver aqui um exemplo de criação de um ConfigMap através do client do Kubernetes “kubectl”

kubectl create configmap site --from-literal='url=mundodocker.com.br' Podemos ver 

Podemos ver aqui um outro exemplo que é um arquivo de configuração que a partir dele também podemos criar o nosso ConfigMap

apiVersion: v1
kind: ConfigMap
metadata:
  name: mundodocker
  labels:
    name: mundodocker
  namespace: test
data:
  config: |-
    ---
    :url: mundodocker.com.br

Como foi visto acima existe 2 formas nas quais podemos criar o nosso ConfigMap, mas ahhh Bicca, como integramos isso com nosso Pod? Existem algumas formas para isso a primeira é que você pode colocar isso dentro do arquivo de criação do Pod, como mostro abaixo:


apiVersion: v1
kind: Pod
metadata:
  name: mundodocker
spec:
  containers:      
  - image: gcr.io/google_containers/busybox      
    name: container
    volumeMounts:
    - name: configmap
      mountPath: "/tmp"
  volumes:
  - name: configmap
    condigMap:
      name: site

 

Essa seria a forma de criação de um Pod com ConfigMap habilitado por exemplo, esses são exemplos simples de arquivos que mostram como funciona o uso de ConfigMaps.

ALGUMAS DICAS:

  • Lembre-se que para que seja possível criar o seu Pod com ConfigMap, você precisa primeiro criar o ConfigMap ou coloca-lo como opcional, pois caso contrario o Pod não irá ser iniciado por causa que o ConfigMap ainda não foi criado.
  • ConfigMap estão dentro de Namespaces, então apenas Pods do mesmo Namespace podem acessa-los
  • Podem ser consumidos de 3 formas: Argumentos, Variaveis de ambiente e Arquivos em volumes. Essa quantidade de modos faz com que ConfigMap se enquadre em grandes partes das aplicações.

 

Pessoal, vamos continuar criando posts para explicar alguns componentes do Kubernetes e em breve vamos colocar mais conteúdos para demonstrar como é possível utilizar Kubernetes em produção com exemplos de uso no dia-a-dia, fique ligado que em breve estaremos com muitas novidades em nosso site e também.

Trabalha em uma Startup com foco em Plataforma como Serviço (PaaS), é especialista em Cloud Computing e Conteinerização, desenvolve todo dia uma nova maneira de resolver problemas e criar coisas novas.
  • Wendervaldo Oliveira

    show

  • César Almeida

    não sou brasileiro noob