Fala galera, hoje vamos fazer mais um post referente a Kubernetes e vamos falar um pouco mais sobre Namespaces e como ele nos beneficia em nosso dia a dia. Para isso vamos entender um pouco mais o que é e como funciona o Namespace:

O Kubernetes diferente do Docker suporta com que a partir de um único cluster sejam criados diversos clusters virtuais dentro desse cluster e isso é chamado de Namespaces, possibilitando que seja possivel criar uma estrutura macro no qual futuramente possa ser dividia em vários namespaces. O Namespace foi projetado para suprir a demanda de equipes compostas pro diversos usuários e projetos nos quais cada equipe possui um ambiente diferente da outra equipe, fornecendo assim recursos dos quais facilitam muito o seu dia a dia como por exemplo a limitação de recursos que veremos mais a frente.

Para listar os namespaces atuais em um cluster de Kubernetes, basta executar

kubectl get namespaces

Por padrão já existem dois namespaces criados no Kubernetes são eles:

default: Onde todos os objetos que não possuem Namespace especificado são criados.

kube-system: Todos os objetos que o Kubernetes cria para gerenciar o cluster estão nesse Namespace.

Para criar um namespace você precisa criar um arquivo .yml como o abaixo:

apiVersion: v1
kind: Namespace
metadata:
  name: nomenamespace

kubectl -f arquivo.yml

Ou você também pode executar comando kubectl create namespace mundodocker

Quando o Kubernetes criar um serviço ele vai criar junto uma entrada DNS dentro do seu cluster e essa entrada DNS possui a seguinte nomeclatura: service-name.namespace-name.svc.cluster.local no qual pode ser utilizado pela sua aplicação para conectar em seu serviço, geralmente os Namespaces criados possuem nomeclaturas como: Produção, Homologação, Teste….

Para realizar a criação de um Pod dentro de um determinado Namespace é possível fazer executando:

kubectl --namespace=mundodocker run nginx --image=nginx


Limitação de recursos ou objetos.

Quando se utiliza um ambiente compartilhado, sempre existe uma preocupação com as questões de recursos, e dentro do Kubernetes existe a possibilidade de resolver isso utilizando “Resource Quota” que fornece uma limitação de recursos por Namespace, essa limitação pode ser desde limitação de Hardware (Memória,Cpu….) quanto há quantidade de objetis que podem ser criados por tipo dentro do Namespace. Quando o Kubernetes verifica se é possível criar um “Pod,Service,Replication Controller” dentro do Namespace, o Kubernetes verifica se existe alguma limitação de recursos no Namespace, caso exista o Kubernetes já notifica o usuário sobre não ser possível realizar a criação do componente desejado. Um exemplo de política de recursos que pode ser criado é o seguinte:

– Namespace Teste: Possui 20GB de memória e 20 Núcleos.
– Namespace Producao: Possui 40GB de memória e 20 Núcleos.

Porém se seu ambiente possuí um total de 50GB de memória, o Kubernetes irá alocar a memória o CPU para o componente que realizar o pedido primeiro, não tendo assim como colocar a prioridade para determinado Namespace. Além de fazer limitações de CPU e memória é possível também realizar a limitação de disco e também limitação de objetos.

Um exemplo de criação de “Resource quota” você pode ver abaixo:

apiVersion: v1
kind: ResourceQuota
metadata:
  name: limitacao-recursos
spec:
  hard:
    pods: "10"
    limits.cpu: "10"
    limits.memory: 20Gi

Após criar o seu arquivo .yaml basta você executar kubectl create -f ./limitacao-recursos.yaml --namespace=teste e você terá criado o seu Resource Quota. Caso queira verificar se tudo ocorreu da forma certa, você pode executar kubectl get quota --namespace=teste e você irá visualizar o retorno bem parecido com esse:

NAME                    AGE
limitacao-recursos       5s

Também é possível verificar de uma forma mais detalhada sobre o seu Resource Quota utilizando kubectl describe quota limitacao-recursos --namespace=teste. Isso irá mostrar de forma detalhada como está configurado a sua quota.

Pessoal, nos próximos posts sobre Kubernetes vamos demonstrar na prática como é possível colocar algumas aplicações dentro do Kubernetes e como utilizamos os componentes mostrados até aqui na prática. Por hoje é isso, fique ligado em nossos próximos posts, um grande abraçõ e até a próxima.

 

 

 

 

 

 

Trabalha em uma Startup com foco em Plataforma como Serviço (PaaS), é especialista em Cloud Computing e Conteinerização, desenvolve todo dia uma nova maneira de resolver problemas e criar coisas novas.
  • Olá Christian,

    Muito bom o arquivo, queria só fazer uma observação, no texto você colocou o comando para criar um namespace como “kubectl -f arquivo.yml” mas, seria “kubectl create -f arquivo.yml” só um detalhe.
    Se puder sugerir um post gostaria de saber uma forma de criar um namespace automaticamente pelo job 😀
    por ex:
    namespace1 namespace2, namespace3 e etc.

  • Olá Christian,

    Fiquei com um dúvida relacionada aos namespaces. Veja o meu exemplo:
    Criei 10 namespaces e cada um roda um postgresql, eu tenho alguma forma de colocar um unico container com o pgadmin para conectar-se com todos esses containers do postgres?