Docker Swarm na Prática

Oi Pessoal!

Fizemos um vídeo mostrando na prática como é possível criar um cluster de Swarm e gerenciar seus serviços com ele, veja também como você pode portar sua stack do Docker Compose para dentro do cluster via o Docker Stack. Veja:

Este é apenas um vídeo de lab, lembramos que você deve se ater a alguns outros pontos nesse ambiente antes de colocar em produção, OK? 😉

Contamos com a ajuda de vocês para divulgação do blog, grande abraço!

Serviços Windows em Docker

Oi Pessoal,

Já vimos em alguns posts, por exemplo este, este e este, como é possível ter seu ambiente Windows em Docker, ou Docker para Windows. Pois bem, a intenção hoje é nos aprofundarmos mais em como é possível portar um ambiente já existente para dentro de containers no Windows, ou seja, veremos como migrar sua aplicação .net que atualmente está em uma máquina virtual para um container, isso de forma bem simples e rápida.

 

Do início

Antes de tudo, precisamos nos situarmos sobre o uso de algumas ferramentas, e aqui entra a parte fundamental desse processo, que é entender como funciona o Image2Docker, para quem não o conhece, este é um módulo do powershell que possibilita a criação de arquivo(s) Dockerfile(s) a partir de um VHD, VHDx ou ainda uma imagem WIM. Você não precisa estar com a máquina virtual ligada para realizar esse processo, o Image2Docker inspeciona o disco offline coletando informações sobre o que você tem instalado ali, e claro, ele serve apenas para ambiente Windows, então ele já possui uma tabela pré-determinada de aplicações que devem ser verificadas.

Após finalizado o scan, ele monta um Dockerfile baseado na imagem do Windows Server Core (microsoft/windowsservercore), é claro que ele não portará tudo de seu ambiente, por exemplo, se você tem instalado uma base MySQL na VM Windows que escaneou, essa instalação não será portada para o Dockerfile, e consequentemente terá que ser portada manualmente depois. Aqui está uma lista de softwares/aplicações que o Image2Docker busca, e que são suportados por ele:

  • IIS e aplicações ASP.NET
  • MSMQ
  • DNS
  • DHCP
  • Apache
  • SQL Server

Ou Seja, se dentro de seu VHD você possuir algum desses softwares instalados, o Image2Docker gerará o Dockerfile baseado nisso.

image2docker

 

Instalação

Há duas formas de instalação, Você pode instalar o módulo nativo do Image2Docker, o processo é simples:

Install-Module Image2Docker
Import-Module Image2Docker

Neste caso, se você não tiver todas as dependências instaladas, ele fará essa instalação de forma automática (caso você aprove é claro).
Outro método é você utilizar a última versão diretamente do repositório, neste caso você terá que instalar algumas coisas antes, como por exemplo:

Install-PackageProvider -Name NuGet -MinimumVersion 2.8.5.201
Install-Module -Name Pester,PSScriptAnalyzer,PowerShellGet

Feito isso, basta agora realizar o download do módulo e importa-lo:

mkdir docker
cd docker
git clone https://github.com/sixeyed/communitytools-image2docker-win.git
cd communitytools-image2docker-win
Import-Module .\Image2Docker.psm1

É muito importante ressaltar que ele foi desenvolvido para rodar em versões superiores a 5.0 do Poweshell, então se atende a esse detalhe.

 

Convertendo

Vamos começar as poucos, digamos que você tenha uma máquina virtual com IIS instalado com algumas aplicações e quer porta-la para container Docker, é possível? Sim, o Image2Docker suporta VMs em Windows 2016, 2012, 2008 e 2003, independente da tecnologia utilizada, seja ela ASP.NET WebForms, ASP.NET MVC, ASP.NET WebApi.

Para você rodar Image2Docker, precisará informar alguns parâmetros, dentre eles:

  • ImagePath – Localização do VHD, VHDx ou WIM
  • Artifact – Que tipo de serviço você quer portar para um Dockerfile, deve ser um dos itens da listagem acima.
  • ArtifactParam – Parametro que deve ser utilizado apenas se o artefato for IIS, pois é possível especificar apenas um site a ser portado.
  • OutputPath – Localização de onde você salvará o Dockerfile

Chega de papo, vamos ao trabalho, para converter uma VM com IIS e todos os seus sites para um único Dockerfile, basta executar:

ConvertTo-Dockerfile -ImagePath C:\VMS\win-2016-iis.vhd -Artifact IIS -Verbose -OutputPath c:\docker\iis

A saída desse comando deve ser algo como isso aqui:

VERBOSE: IIS service is present on the system
VERBOSE: ASP.NET is present on the system
VERBOSE: Finished discovering IIS artifact
VERBOSE: Generating Dockerfile based on discovered artifacts in
:C:\Users\mundodocker\AppData\Local\Temp\287653115-6dbb-40e8-b88a-c0142922d954-mount
VERBOSE: Generating result for IIS component
VERBOSE: Copying IIS configuration files
VERBOSE: Writing instruction to install IIS
VERBOSE: Writing instruction to install ASP.NET
VERBOSE: Copying website files from
C:\Users\mundodocker\AppData\Local\Temp\287653115-6dbb-40e8-b88a-c0142922d954-mount\websites\aspnet-mvc to
C:\docker\iis
VERBOSE: Writing instruction to copy files for aspnet-mvc site
VERBOSE: Writing instruction to create site aspnet-mvc
VERBOSE: Writing instruction to expose port for site aspnet-mvc

Ao final da execução do comando, ele gerará um Dockerfile dentro da pasta c:\docker\iis com o seguinte conteúdo:

# Instalar a feature do IIS
RUN Add-WindowsFeature Web-server, NET-Framework-45-ASPNET, Web-Asp-Net45
RUN Enable-WindowsOptionalFeature -Online -FeatureName IIS-ApplicationDevelopment,IIS-ASPNET45,IIS-BasicAuthentication...

# Adicionar o site mvc no IIS
COPY aspnet-mvc /websites/aspnet-mvc
RUN New-Website -Name 'aspnet-mvc' -PhysicalPath "C:\websites\aspnet-mvc" -Port 8081 -Force
EXPOSE 8081

# Adicionar o site webapi no IIS
COPY aspnet-webapi /websites/aspnet-webapi
RUN New-Website -Name 'aspnet-webapi' -PhysicalPath "C:\websites\aspnet-webapi" -Port 8082 -Force
EXPOSE 8082

Lembrando, no exemplo acima nós portamos todos os sites do IIS para um único Dockerfile, é possível especificar apenas um site, para isso:

ConvertTo-Dockerfile -ImagePath C:\VMS\win-2016-iis.vhd -Artifact IIS -ArtifactParam aspnet-webforms -Verbose -OutputPath c:\docker\iis

Dessa forma, apenas o site chamado: aspnet-webforms será portado para um Dockerfile.

 

Converti, e agora?

Tendo gerado o Dockerfile, basta você seguir o fluxo normal de criação de imagem Docker, por exemplo:

docker build -t mundodocker/site-webforms .

Dessa forma você criará uma imagem chamada: mundodocker/site-webforms e poderá utiliza-la da mesma forma como as demais, apenas lembrando que essa imagem fará a criação do site e copiará os arquivos do site que havia na VM para dentro do container, vamos rodar:

docker run -d -p 8080:8083 mundodocker/site-webforms

Basta agora, você acessar o endereço de sua aplicação, para isso você terá que saber o ip do container criado, então execute:

docker inspect --format '{{ .NetworkSettings.Networks.nat.IPAddress }}' ID_DO_CONTAINER

Agora sim, basta acessar o ip que esse comando retornará, na porta 8080, algo assim: http://172.28.192.4:8080 e você poderá visualizar a aplicação que você tinha em um VM, agora dentro de um container 🙂

 

Dica final

Imagine que você tenha diversos sites dentro do mesmo IIS, e queira portar cada um para um container diferente, qual seria o método normal? Rodar o comando N vezes até ter todos portados, certo? Pois bem, você pode automatizar isso, criar um script em powershell que faça essa “mágica” sem muito esforço. O script pode ser parecido como este:

$sites = @("aspnet-mvc", "aspnet-webapi", "aspnet-webforms", "static")
foreach ($site in $sites) { 
    ConvertTo-Dockerfile -ImagePath C:\VMS\win-2016-iis.vhd -Artifact IIS -ArtifactParam $site -Verbose -OutputPath "c:\docker\$website" -Force
    cd "c:\docker\$site"
    docker build -t "mundodocker/$site" .
}

Dessa forma ele gerará tanto o Dockerfile para cada site assim como as imagens para cada um.

 

Gostaram? Ficaram com dúvidas? Deixe nos comentários ou no nosso fórum, que tanto nós quanto nossos leitores poderão ajudar. E como sempre, ajude divulgando o blog.

Grande abraço!

Desenvolvimento com Docker

Oi Pessoal,

A intenção hoje é trazer para vocês um conteúdo mais voltado para as equipes de desenvolvimento, ilustrando como é possível automatizar alguns pontos do seu trabalho utilizando Docker e como ele tornará as equipes mais eficientes naquilo que precisam ser: Entrega de resultado, óbvio.

Neste exemplo abordaremos um pouco sobre como é fácil montar um ambiente de desenvolvimento local utilizando nginx, php e mysql, este será, é claro, o primeiro passo em seu caminho para utilizar docker no seu dia-a-dia. Bom, chega de conversa, mãos a obra :).

Obviamente, nesse post não abordaremos como você deve instalar o Docker, para isso temos esse post que vai lhe ajudar muito, veja também que vamos usar nesse ambiente o docker compose, e claro, levamos em consideração que você está utilizando Docker em seu host de desenvolvimento, seja ele Windows, Linux ou Mac, e não no servidor de produção.

A receita

Ok, atendo a esses requisitos, e agora Cristiano, o que faço?

Primeiramente você deve criar, dentro de seu diretório de trabalho um arquivo para que o Docker Compose possa dar inicio a sua stack, e como você viu no post sobre o docker compose, o formato dele é de um arquivo do tipo Yaml, vamos utilizar a versão 2 do Docker Compose, que trás algumas melhorias, mas que difere um pouco na sintaxe, veja o exemplo que vamos usar nesse post:

# Utilizando sintaxe da versão 2:
version: '2'

volumes:
 database_data:
 driver: local

services:
###########################
# Container Web (Nginx)
###########################
 nginx:
 image: nginx:latest
 ports:
 - 8080:80
 volumes:
 - ./nginx/default.conf:/etc/nginx/conf.d/default.conf
 volumes_from:
 - php

###########################
# Container PHP
###########################
 php:
 build: ./php/
 expose:
 - 9000
 volumes:
 - .:/var/www/html

###########################
# Container de banco de dados (MySQL)
###########################
 mysql:
 image: mysql:latest
 expose:
 - 3306
 volumes:
 - database_data:/var/lib/mysql
 environment:
 MYSQL_ROOT_PASSWORD: senha
 MYSQL_DATABASE: projeto
 MYSQL_USER: projeto
 MYSQL_PASSWORD: projeto

A grande diferença entre a versão 1 e 2 do Docker Compose está relacionado a utilização de algumas tags especiais, entre elas: services e volumes. Essas tags obviamente foram adicionadas por um bom motivo, e esse motivo é você poder ter múltiplos serviços dentro de uma stack, mas ter a flexibilidade de escalonar ou modificar atributos de um único serviço dentro de sua stack, sem precisar mexer em toda ela, isso é muito bom, não?

Outro motivo está relacionado ao uso de volumes para a persistência de dados, você não quer perder todo seu trabalho se seu container for acidentalmente removido, certo? E uma das grandes vantagens nesse caso é que você pode especificar um driver para volume que seja persistente não apenas em seu host, mas distribuído em um cluster de volume, explicamos um pouco sobre isso aqui e aqui, em nosso exemplo vamos usar local mesmo.

 

Inside

Note que nas linhas que referem-se ao container PHP, não há referência para imagem, o motivo é simples, faremos o build da imagem no mesmo momento de subir a stack, ou seja, quando rodarmos o docker-compose up -d o docker realizará o build do Dockerfile que encontra-se dentro da pasta php e utilizará a imagem gerada por esse build para iniciar o container php.

Mas e o que tem nesse Dockerfile? Calma, não íamos deixar isso de lado, veja abaixo como é esse Dockerfile:

FROM php:7.0-fpm 
RUN docker-php-ext-install pdo_mysql \ 
&& docker-php-ext-install json

Em nosso lab, usaremos como base a imagem do php 7.0 em fpm, e baseado nisso instalaremos algumas extensões, para que posteriormente possamos utilizá-las. Note que não é algo muito elaborado, mas poderia, caso você tenha essa necessidade. Na imagem em questão, há um binário responsável pela instalação das extensões, que é o docker-php-ext-install, ele realiza o download e instalação da extensão e sua ativação no php.ini global.

Note também que definimos expor a porta 9000 do container php para que o container do serviço web possa acessa-lo e assim processar as requisições. O arquivo de configuração do servidor web deve ser assim:

server {

 # Set the port to listen on and the server name
 listen 80 default_server;

 # Set the document root of the project
 root /var/www/html/public;

 # Set the directory index files
 index index.php;

 # Specify the default character set
 charset utf-8;

 # Setup the default location configuration
 location / {
 try_files $uri $uri/ /index.php;
 }

 # Specify the details of favicon.ico
 location = /favicon.ico { access_log off; log_not_found off; }

 # Specify the details of robots.txt
 location = /robots.txt { access_log off; log_not_found off; }

 # Specify the logging configuration
 access_log /var/log/nginx/access.log;
 error_log /var/log/nginx/error.log;

 sendfile off;

 client_max_body_size 100m;

 # Specify what happens when PHP files are requested
 location ~ \.php$ {
 fastcgi_split_path_info ^(.+\.php)(/.+)$;
 fastcgi_pass php:9000;
 fastcgi_index index.php;
 include fastcgi_params;
 fastcgi_param SCRIPT_FILENAME $document_root$fastcgi_script_name;
 fastcgi_param APPLICATION_ENV development;
 fastcgi_intercept_errors off;
 fastcgi_buffer_size 16k;
 fastcgi_buffers 4 16k;
 }

 # Specify what happens what .ht files are requested
 location ~ /\.ht {
 deny all;
 }
}

Veja que na opção: fastcgi_pass definimos como php:9000 ou seja, o nome do container na porta que expomos no docker-compose. Lembrando que você pode ter acesso a stack completa baixando esse exemplo de nosso repositório no gitub.

Para o Container de banco de dados, utilizamos a imagem oficial do MySQL, definimos apenas os dados de acesso e nome do banco de dados que gostaríamos de criar, e claro definimos um volume onde serão persistidos os dados desse banco.

Agora finalmente basta você subir a sua stack, para isso:

docker-compose up -d

Depois do docker compose realizar todo o processo de build da sua stack, basta você acessar o ambiente web pelo endereço: http://localhost:8080 e você terá como retorno a pagina inicial do seu site (que em nosso teste é apenas um phpinfo).

Próximos passos

 Bom, agora você só precisar criar :), quando você ficar alguma modificação na pasta onde está o projeto, elas serão refletidas no site, ou seja, modificando o seu index.php será alterado no site que está rodando nos container, isso porque mapeamos a pasta local como sendo a public do servidor web/php. O mais interessante dessa abordagem é poder movimentar esse ambiente para onde quiser, imagem que isso tudo faz parte de seu código versionado no git, basta chegar em basta e rodar um git clone do seu projeto (ou pull) e você terá o mesmo ambiente de desenvolvimento.

Gostou? Não gostou? Tem dúvida? Deixa nos comentários que vamos conversando! E como sempre, nos ajude divulgando o blog.

Grande abraço!

Docker Overlay

Oi Pessoal,

Como vimos nesse post, é possível utilizar plugins diversos para resolver o desafio da rede, e mostramos nesse post um pouco da teoria de como usar o driver de overlay, hoje queremos mostrar isso na prática, e para isso, nada melhor do que colocar a mão na massa, certo?  Claro, mas antes precisamos entender um pouco de teoria, e lá vamos nós.

Se você estiver utilizando o Swarm, não é necessário configurar um serviço de chave-valor externo, pois o próprio Swarm faz o controle e persistência das informações de rede que você utiliza. E você deve ter cuidado, pois se quiser utilizar o Overlay com um serviço externo de chave-valor, o modo de cluster via Swarm fica impossibilitado.

Veja abaixo uma tabela com algumas informações relevantes sobre o funcionamento do Overlay:

ProtocoloPortaDescrição
udp4789Data plane (VXLAN)
tcp/udp7946Control plane

Ou seja, você deve cuidar para que em seus firewalls essas portas estejam liberadas, caso contrario a comunicação entre os nós não ocorrerá, o que impossibilitará o funcionando do Overlay.

Veja abaixo os principais parâmetros que você deve ter atenção:

OpçãoDescrição
--cluster-store=PROVIDER://URL
Endereço do seu servidor/serviço de chave-valor
--cluster-advertise=HOST_IP|HOST_IFACE:PORT
IP ou interface do host que será utilizado para comunicação do cluster
--cluster-store-opt=KEY-VALUE OPTIONS
Configuração opicional, onde é possível definir regras de monitoramento dos hosts e validação TLS

Ok Cristiano, entendi tudo isso, mas como vamos testar, qual será o ambiente de laboratório que vamos seguir? Vamos lá, para exemplificar como será o ambiente que vamos montar, segue abaixo uma imagem onde ilustra o funcionamento do Docker com o serviço de chave-valor, todos os hosts consultam esse serviço para identificar quais redes existem e qual bloco/ip deve ser alocado por container. Veja:

Engine on each host

Vamos colocar a mão na massa?

Dependências/Configuração

Você deve ter um serviço de chave valor, no qual o Docker persistirá as informações de rede que você criar, em nosso lab utilizamos o Consul dentro de um container Docker, rodando em um server a parte dos que participarão do ambiente multi-host, para isso executamos:

[[email protected] ~]# docker run -d  -p "8500:8500"  -h "consul"  progrium/consul -server -bootstrap

Dessa forma iniciamos um container com Consul, mapeando a porta 8500 do host para o container, ou seja, para ter acesso ao serviço do Consul basta acessar ip-do-host:8500. Agora vamos ao nosso ambiente de Docker.

Nos hosts de Docker (obviamente você já tem o Docker instalado, mas se quiser saber como instalar, veja esse post 😉 ) você precisará configurar o daemon para consultar o Consul e buscar as informações de rede, em nosso laboratório utilizamos o CentOS, com isso, o arquivo a ser modificado é o: /lib/systemd/system/docker.service, e deixamos da seguinte forma:

[Unit]
Description=Docker Application Container Engine
Documentation=https://docs.docker.com
After=network.target

[Service]
Type=notify
# the default is not to use systemd for cgroups because the delegate issues still
# exists and systemd currently does not support the cgroup feature set required
# for containers run by docker
ExecStart=/usr/bin/dockerd -H tcp://0.0.0.0:2376 -H unix:///var/run/docker.sock --cluster-advertise=eth0:2376 --cluster-store=consul://ip-do-consul:8500
ExecReload=/bin/kill -s HUP $MAINPID
# Having non-zero Limit*s causes performance problems due to accounting overhead
# in the kernel. We recommend using cgroups to do container-local accounting.
LimitNOFILE=infinity
LimitNPROC=infinity
LimitCORE=infinity
# Uncomment TasksMax if your systemd version supports it.
# Only systemd 226 and above support this version.
#TasksMax=infinity
TimeoutStartSec=0
# set delegate yes so that systemd does not reset the cgroups of docker containers
Delegate=yes
# kill only the docker process, not all processes in the cgroup
KillMode=process

[Install]
WantedBy=multi-user.target

Feito isso, basta reiniciar o serviço e seguirmos para o próximo passo.

Utilização/Testes

Agora que você já definiu um serviço de chave-valor a ser consultado, basta você criar a sua rede com o driver Overlay, para isso:

[[email protected] ~]# docker network create --driver overlay rede1

Você pode definir ainda qual o bloco de ip que deseja para essa rede, caso não faça essa definição, o Docker associará um bloco automaticamente para você. Fácil certo? Basta testarmos, para isso vamos validar em todos os hosts se ambos estão visualizando a mesma rede, execute esse comando em qualquer outro host:

[[email protected] ~]# docker network ls

Será retornando algo como isso:

NETWORK ID          NAME                DRIVER
64507d0be843f        rede1               overlay
d0bdae8fbe7bd        bridge              bridge
1c0eb8f68962d        none                null
3412c2496d0eb        host                host
697102a22e8d2        docker_gwbridge     bridge

 Vamos utilizar essa rede, crie os containers em pelo menos 2 hosts, informando essa nova rede, veja:

[[email protected] ~]# docker run -it --net=rede1 centos /bin/bash

Agora basta pingar ou acessar os serviços entre os containers que estão nessa mesma rede.

Dessa forma você pode definir uma rede diferente por grupo de containers, e pode ainda isolar essas redes utilizando o método VXLAN, para isso deve passar como parâmetro na criação da rede o seguinte argumento: –opt “com.docker.network.driver.overlay.vxlanid_list=257″, esse parâmetro fará com que essa rede receba uma vlan, ou seja, todo o trafego direcionado a essa rede receberá uma identificação, impossibilitando que outros containers que não estejam nessa vlan tenha acesso a esse trafego. 

Legal né? Se gostou nos ajude divulgando o blog.

Grande abraço!

Auto Complete para Docker

Olá!

Hoje o post será um pouco diferente dos que geralmente publicamos, queremos mostrar para vocês como é possível utilizar a funcionalidade de auto complete do shell para os comandos Docker. Mas para que isso? Simples, facilidade e agilidade na execução de comandos, quem aqui nunca apertou o tab depois de digitar ‘./conf’? Então, você deve sentir falta dessa facilidade quando se utiliza os subcomandos do docker, certo? Queremos mostrar pra vocês como resolver isso.

Como você já viu aqui, existem diversos subcomandos do docker, e cada um possui diversos parâmetros que podem ser utilizados, com o docker –help você poderá visualizar as opções disponíveis.

Mas isso é chato algumas vezes, é mais fácil começar a digitar docker run --vol...[tab][tab]e deixar o autocomplete fazer o trabalho:

$ docker run --volume
--volume         --volume-driver  --volumes-from

#vamosinstalar?

No Mac OS X

O processo é simples, estando no Mac OS X temos que instalar o auto completion usando o brew:

$ brew install bash-completion

E em seguida adicionar as linhas em nosso arquivo de profile ($HOME/.bash_profile ou /Users//.bash_profile)

if [ -f $(brew --prefix)/etc/bash_completion ]; then
    . $(brew --prefix)/etc/bash_completion
fi

Você pode executar os seguintes comandos, que devem ser utilizados nesta sequência:

$ echo "if [ -f $(brew --prefix)/etc/bash_completion ]; then" | tee -a $HOME/.bash_profile
$ echo "    . $(brew --prefix)/etc/bash_completion" | tee -a $HOME/.bash_profile
$ echo "fi" | tee -a $HOME/.bash_profile

Atenção: Se não temos o homebrew instalado, veja em http://brew.sh/ mais informações de como instala-lo e utiliza-lo.

 
No Linux

No Linux, como sempre, é mais simples, basta instalar via gerenciador de pacotes da sua distribuição. Se for Debian like (Ubuntu, Mint, etc) usamos o apt-get:

$ sudo apt-get install bash-completion

Se for Red Hat like (RHEL, CentOS, Fedora, etc) então usamos yum:

$ sudo yum install bash-completion

Completion do Docker Engine

O arquivo está disponível em https://github.com/docker/docker/blob/master/contrib/completion/bash/docker portanto sempre que fizer uma atualização é recomendável que você baixe novamente esse arquivo para refletir os comandos e parâmetros novos disponibilizados pelo Docker.

Ao baixar devemos colocá-lo na pasta /etc/bash_completion.d/ se estivermos no Linux, se estivermos em um Mac OS X:  $(brew --prefix)/etc/bash_completion.d.

No Mac OS X
$ curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/docker/master/contrib/completion/bash/docker > $(brew --prefix)/etc/bash_completion.d/docker
No Linux
$ curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/docker/master/contrib/completion/bash/docker > /etc/bash_completion.d/docker

Completion do Docker Compose

De maneira similar o arquivo está disponível emhttps://github.com/docker/compose/blob/master/contrib/completion/bash/docker-compose . Reforçamos que sempre que fizer uma atualização é bom baixar novamente esse arquivo para refletir os comandos e parâmetros novos disponibilizados pelo Docker Compose.

Ao baixar também devemos colocá-lo na pasta /etc/bash_completion.d/ se estivermos no Linux ou devemos acrescentar a pasta do homebrew antes se estivermos em um Mac OS X: $(brew --prefix)/etc/bash_completion.d.

No Mac OS X
$ curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/compose/master/contrib/completion/bash/docker-compose > $(brew --prefix)/etc/bash_completion.d/docker-compose
No Linux
$ curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/compose/master/contrib/completion/bash/docker-compose > /etc/bash_completion.d/docker-compose

Completion do Docker Machine

O processo é praticamente o mesmo porém o docker-machine possui 3 arquivos de auto complete. Os arquivos estão disponíveis em https://github.com/docker/machine/tree/master/contrib/completion/bash .

Como dito anteriormente devemos colocá-los na pasta /etc/bash_completion.d/ se estivermos no Linux ou devemos acrescentar a pasta do homebrew antes se estivermos em um Mac OS X: $(brew --prefix)/etc/bash_completion.d.

Como são mais arquivos recomendo utilizarmos um loop para baixarmos todos em sequência utilizando apenas um comando.

No Mac OS X
machineVersion=`docker-machine --version | tr -ds ',' ' ' | awk 'NR==1{print $(3)}'`
files=(docker-machine docker-machine-wrapper docker-machine-prompt)
for file in "${files[@]}"; do
  curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/machine/v$machineVersion/contrib/completion/bash/$file.bash > `brew --prefix`/etc/bash_completion.d/$file
done
unset machineVersion
No Linux
machineVersion=`docker-machine --version | tr -ds ',' ' ' | awk 'NR==1{print $(3)}'`
files=(docker-machine docker-machine-wrapper docker-machine-prompt)
for file in "${files[@]}"; do
  curl -L https://raw.githubusercontent.com/docker/machine/v$machineVersion/contrib/completion/bash/$file.bash > /etc/bash_completion.d/$file
done
unset machineVersion

Observe que:

  1. Se você utilizar alguma versão específica de uma dessas ferramentas basta baixar os arquivos da pasta correspondente.  Por exemplo o docker engine, da maneira que mostramos vamos pegar o arquivo que está na branch master, atualmente versão 1.12.1, para pegar na versão 1.11.0 por exemplo o arquivo fica em https://github.com/docker/docker/blob/v1.11.0/contrib/completion/bash/docker
  2. O Docker disponibiliza alguns arquivos de completion para outros shells. O Docker Engine disponibiliza bash, zsh, fish e powershell como podemos ver em https://github.com/docker/docker/tree/master/contrib/completion .
  3. O Docker Compose e o Docker Machine disponibilizam apenas para bash e zshcomo vemos nas urls https://github.com/docker/compose/tree/master/contrib/completionhttps://github.com/docker/machine/tree/master/contrib/completion .

E era isso por hoje pessoal, agradecimento especial ao @wsilva pela dica. Já sabe, ajude divulgando o blog, e tendo dúvidas ou sugestões deixa ai nos comentários 😉

Abraço!

Fonte: http://dumpscerebrais.com/2016/09/auto-complete-para-docker-engine-machine-e-compose/

Docker e Flannel

Oi Pessoal!

A intenção hoje é chamar a atenção para um dos recursos que está presente no Docker e que as vezes passa despercebido para muitos dos utilizadores dessa tecnologia, que é trabalhar com rede. Já vimos aqui no blog como trabalhar com Docker Network, mas com a ascensão do docker 1.12 ficou ainda mais fácil mudar a forma de como se utilizar rede, você pode integrar o Docker com diversos plugins e tecnologias de rede, hoje veremos como utilizar o Flannel para ser seu backend de rede.

Para quem não conhece, o Flannel é um projeto que foi inicialmente desenvolvido pela CoreOS, mas que atualmente é mantido, além da própria empresa, pela comunidade. Ele utiliza um serviço de chave-valor para persistir as informações sobre alocação de ip entre hosts e containers, por padrão ele utiliza o Etcd (que por coincidência é desenvolvido e mantido pela CoreOS também 🙂 ), veja abaixo algumas das características do Flannel e a diferença em relação ao Docker Network:

                             Flannel             Docker Overlay Network
Modelo                       VxLAN ou UDP                           VxLAN
Isolamento de aplicação                       CIDR Schema                     CIDR Schema
Protocolos suportados                             Todos                           Todos
Serviço de nome                               Não                             Não
Requer backend externo                               Sim                             Sim
Tipo de encriptação                               TLS                             Não
 vNIC por Container                               Não                             Sim
Restrição de subnet por container                               Não                             Sim

Como podem notar o Flannel tem algumas vantagens e desvantagens em relação ao Docker Network, destacam-se a comunicação encriptada que ele provê e não ter a possibilidade de criar subnet diferente por cliente, ou seja, todos os containers fazem parte da mesma rede. Se você está pensando em utilizar Kubernetes, leve em consideração o Flannel, pois é um dos plugins mais utilizados com esse orquestrador. Vamos colocar a mão na massa?

Instalação e dependências

Servidor Etcd

Nosso exemplo foi baseado no Centos 7 64 bits, mas você pode utilizar em outro S.O sem problema. Vamos lá, primeiramente você deve habilitar o repositório Extras do CentOS, para isso edite o CentOS-Base.repo e coloque habilite-o, veja:

# CentOS-Base.repo
#
# The mirror system uses the connecting IP address of the client and the
# update status of each mirror to pick mirrors that are updated to and
# geographically close to the client. You should use this for CentOS updates
# unless you are manually picking other mirrors.
#
# If the mirrorlist= does not work for you, as a fall back you can try the
# remarked out baseurl= line instead.
#
[base]
name=CentOS-$releasever - Base
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=os&infra=$infra
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/os/$basearch/
gpgcheck=1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-CentOS-7

#released updates
[updates]
name=CentOS-$releasever - Updates
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=updates&infra=$infra
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/updates/$basearch/
gpgcheck=1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-CentOS-7

#additional packages that may be useful
[extras]
name=CentOS-$releasever - Extras
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=extras&infra=$infra
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/extras/$basearch/
gpgcheck=1
enable=1
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-CentOS-7

#additional packages that extend functionality of existing packages
[centosplus]
name=CentOS-$releasever - Plus
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=centosplus&infra=$infra
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/centosplus/$basearch/
gpgcheck=1
enabled=0
gpgkey=file:///etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-CentOS-7

Agora vamos instalar o backend do Flannel, que é o etcd (serviço de chave valor em memória), o etcd é utilizada para armazenar as informações sobre as redes que serão distribuídas entre os containers. Vamos lá:

[[email protected] ~]#  yum install etcd

Edite o /etc/etcd/etcd.conf alterando o ETCD_LISTEN_CLIENT_URLS, em nosso teste colocamos 0.0.0.0, ou seja, o etcd estará acessível através de qualquer ip do host, veja:

ETCD_NAME=default
ETCD_DATA_DIR="/var/lib/etcd/default.etcd"
ETCD_LISTEN_CLIENT_URLS="http://0.0.0.0:2379"
ETCD_ADVERTISE_CLIENT_URLS="http://localhost:2379"

Cuide para que a porta 2389 esteja liberado no firewall desse host. Agora vamos aproveitar que estamos no host de etcd e vamos já deixar configurado a rede que será utilizada pelos hosts de Docker. Para isso, crie um arquivo, em nosso lab: rede.json e adicione o seguinte código:

{
 "Network": "192.0.0.0/16",
 "SubnetLen": 22,
 "Backend": {
 "Type": "vxlan",
 "VNI": 1
 }
}

Onde:

  • Network – Bloco de rede que será distribuída para os containers;
  • SubnetLen – Tamanho do bloco alocada para cada host, ou seja, cada host receberá um /22 do bloco 192.0.0.0/16, isso que dizer que poderíamos ter até 1000 containers em 1 host.
  • Type – Tipo do canal que será utilizado, lembra que no Flannel você pode escolher em vxlan ou udp, pois bem, é aqui que você configura isso, por experiência própria, recomendamos utilizar vxlan, pois há menos overhead.

O que faço com isso agora? Importe no etcd ;), lembrando que o etcd trabalha com chave=valor, então execute:

[[email protected] ~]# etcdctl set /mundodocker/network/config < rede.json

Onde:

  • /mundodocker/network/config – chave
  • rede.json – valor

Agora vamos ver se essas informações foram persistidas no etcd:

[[email protected] ~]#etcdctl get /mundodocker/network/config
{
 "Network": "192.0.0.0/16",
 "SubnetLen": 22,
 "Backend": {
 "Type": "vxlan",
 "VNI": 1
 }
}

 

Servidores Docker

Não esqueça, em todos os hosts temos que ativar o repositório de extras do CentOS, da mesma forma que foi feita acima. Vamos as instalações das dependências, o docker é claro:

[[email protected] ~]# curl -fsSL https://get.docker.com/ | sh

Agora o Flannel:

[[email protected] ~]# yum install flannel -y

Vamos as configurações agora, começamos pelo Flannel, para isso, edite o arquivo: /etc/sysconfig/flanneld, modificando as linhas:

FLANNEL_ETCD = Servidor do Etcd.
FLANNEL_ETCD_KEY = Key definida no Etcd.

Veja como deve ficar:

[[email protected] ~]# cat /etc/sysconfig/flanneld | grep -v ^#
FLANNEL_ETCD="http://host-etcd:2379"
FLANNEL_ETCD_KEY="/mundodocker/network"

Agora inicie o serviço do Flannel:

[[email protected] ~]# systemctl enable flanneld
[[email protected] ~]# systemctl start flanneld

Note que ele criará uma interface de rede chamada flannel.1, que será utilizada para comunicação entre os hosts. Note também que será criado um arquivo dentro de: /run/flannel/subnet.env com as informações sobre a rede que o host assumiu, esse arquivo será utilizado daqui a pouco.

Agora vamos configurar nosso serviço de Docker para utilizar a rede Flannel configurada anteriormente, para isso, edite o arquivo: /lib/systemd/system/docker.service adicionando a linha: EnvironmentFile=-/run/flannel/subnet.env e alterando a forma como o Docker será iniciado, veja como deve ficar:

[Unit]
Description=Docker Application Container Engine
Documentation=https://docs.docker.com
After=network.target docker.socket
Requires=docker.socket
 
[Service]
Type=notify
EnvironmentFile=-/run/flannel/subnet.env
ExecStart=/usr/bin/docker daemon -H fd:// $OPTIONS $DOCKER_STORAGE_OPTIONS --bip=${FLANNEL_SUBNET} --mtu=${FLANNEL_MTU}
MountFlags=slave
LimitNOFILE=1048576
LimitNPROC=1048576
LimitCORE=infinity
TimeoutStartSec=0
 
[Install]
WantedBy=multi-user.target

Agora basta iniciar/reiniciar o serviço do Docker:

[[email protected] ~]# systemctl enable docker.service
[[email protected] ~]# systemctl start docker.service

Não esqueça de fazer isso em todos os hosts de Docker que você quer colocar nessa rede.

 

Vamos testar?

Basta você criar um container em cada host, em nosso teste criamos um baseado na imagem do CentOS:

Host 1:

[[email protected] ~]# docker run -it centos /bin/bash

Host 2:

[[email protected] ~]# docker run -it centos /bin/bash

Agora basta você pingar de um container para o outro, ou se quiser fazer um teste mais real, você pode instalar um banco de dados ou servidor web em um dos containers e tentar acessar via ip da rede Flannel pelo outro container. Como você deve ter notado esse processo é bem simples e resolve grandes problemas com rede no Docker, como por exemplo a comunicação entre multi-host.

Por hoje era isso, espero que tenha ajudado, e como sempre, nos ajude divulgando o blog 😉

Abraço!

Docker Run – Avançado

Olá pessoal,

Hoje vamos falar um pouco mais sobre as opções que talvez muitas pessoas não conhecem sobre o Docker run e que podem ajudar você diariamente a subir suas aplicações com mais segurança e também com mais praticidade. A ideia por trás desse post não é mostrar como criar um container, mas sim quais as opções novas e que podemos utilizar em nosso dia a dia.

PID settings (–pid)

Por padrão todos os containers possuem o PID namespace habilitado. O Namespace PID remove o ponto de vista dos processos do sistema e permite ids de processos para ser utilizado. Em alguns casos você pode querer rodar alguma ferramenta de depuração em seu container para que ele consiga visualizar os processos do seu host, então basta iniciar o container com a opção de –pid ativado:

docker run -it --rm --pid=host imagem

É possível também utilizar o –pid para depurar as informações de outro container, para isso vamos iniciar a execução de um container com mongoDB e depois um container para realizar a depuração

docker run --name mongo -d mongodb 
docker run --it --pid=container:mongo imagem

–dns

Por padrão os containers irão compartilhar os mesmos servidores de DNS que estão sendo utilizados em seu host, então na hora de criação de cada container você pode utilizar o parâmetro –dns=”8.8.8.8″ por exemplo.

–add-host

O docker ja cria dentro de cada container em /etc/hosts o arquivo com algumas configurações de rede, como:

172.17.0.2 02ed3f564f1b
127.0.0.1 localhost
fe00::0 ip6-localnet

Porem é possivel na hora da criação do container você adicionar mais uma entrada dentro do arquivo de hosts para isso basta colocar a opção –add-host em seu “docker run”

 docker run -it --add-host entrada:ip -d centos

–security-opt

Nas versões mais recentes do Docker é possível você limitar para que os comandos que exigem privilégios dentro do Docker não sejam mais executado, como: su ou sudo para isso basta executar:

docker run --security-opt no-new-privileges -d centos

–restart

Utilizando essa opção é possível realizar a reinicialização de containers a partir de determinados evento, são esses: on-failure, always, unless-stopped.

  • On-failure: Reinicia somente se o status de saída do container por diferente de 0, é possível limitar o numero de tentativas de reinicialização. O docker irá esperar 100ms na primeira vez que tentar reiniciar o container, caso vá para segunda vez então irá esperar 200ms e depois 400ms e assim dependendo do número de tentativas.
 docker run --restart=on-failure:3 centos
  • Always: Sempre reinicie o container independentemente do status de saída. Na reinicialização do servidor, o container irá subir automaticamente após o serviço do docker ser startado.
 docker run --restart=always centos
  • Unless-Stopped: Inicialize o container independentemente do status de saída, porem na reinicialização do servidor ou do serviço do Docker o container não irá subir automaticamente;
 docker run --restart=unless-stopped centos

O status de saída exibido pelo Docker no docker run pode ser visto utilizando a seguinte opção:

 docker run redis; echo $?

Existem alguns números já conhecidos, 125 (Problema com o docker daemon), 126 (Comando não pode ser invocado), 127 (Comando não pode ser encontrado).

–isolation

Essa opção é útil quando você executar Docker no Windows essa opção define qual tecnologia ira ser usada para o isolamento do container, no caso do linux é default e no Windows temos: process e Hyper-v.

docker run -d --isolation process busybox top

–device

Um dia poderá aparecer a necessidade para que você anexe um disco a seu container, então com essa opção você pode anexar diretamente um disco a seu container:

docker run --device=/dev/sdb:/dev/xvdc -d centos

–rm

Por padrão quando você cria um container sem passar a opção de “–rm” quando esse container acaba parando por algum motivo, ele não é removido do Docker e também nem o seu volume. Porem caso você deseja que remova o container você poderá passar o parâmetro na hora da criação do container.

docker run -it -v /home/container:/home --rm -d centos

Nesse modo de criação de container, quando o container por algum motivo parar o docker irá excluir-lo e também apagar o volume junto. Para que NÃO APAGUE O VOLUME você deve criar um volume com a opção de docker volume create.... e na hora da criação desse container passar o nome do volume.

docker run -it --rm -v volume:/home -d centos

Então ta pessoal, por hoje era isso, espero que tenham gostado, em breve faremos posts mais focados no baixo nível do Docker para que você possa saber como todas as opções funcionam e como utiliza-las. Já sabe, nos ajude divulgando o blog 😉