Cronjobs com Docker

Oi Pessoal,

Hoje vamos trazer para vocês um forma de resolver algo que é bem recorrente e comum em ambientes de produção, e que talvez acabe de tornando uma porta de entrada para o uso do Docker em maior escala. Dessa vez, você entenderá como é possível realizar o agendamento e execução de script utilizando a crontab dentro de containers Docker \o/.

Para quem ainda não sabe, dentro de ambiente like *unix é possível realizar o agendamento de scripts utilizando uma ferramenta chamada Crontab (para quem é do ambiente Microsoft, é o mesmo que o task scheduler, mas com mais poder 🙂 ), através dela você define o horário de execução para os scripts, usuário que será utilizado para a execução do mesmo, e claro, qual script deve ser executado. Pois bem, sabendo disso, é possível utilizar o Docker para que a execução desses scripts seja realizada dentro de containers.

Mas afinal, quais as vantagens disso?

Bem, a execução de script via crontab, pode gerar alguns desafios, principalmente se não há um controle rigoroso de quais scripts estão sendo agendados, dentre os desafios podemos destacar:

1 – Uso excessivo de recursos: Pode acontecer de algum script ter algum erro e fazer com que haja uso excessivo de recursos (memória, cpu) durante a sua execução, e acredite, isso é mais comum do que imagina. Existe formas de contornar isso, no entanto, nativamente não.

2 – Segurança na execução: Você pode definir qual usuário executará um determinado script, isso funciona muito bem dentro da crontab, no entanto, caso você não especifique, o usuário utilizado para a execução do script  será o mesmo que inicializou o serviço da cron, e geralmente este serviço inicializa com o usuário root, então…

Ok Cristiano, e como o Docker pode me ajudar?

Aeooooo mais um convertido, vamos ver como funciona na prática?

A primeira coisa que faremos é criar os diretório necessários, para isso, defina um diretório de trabalho, e nele crie uma pasta chamada “cron” e outra chamada “scripts”. Em seguida vamos buildar uma imagem Docker apenas com o que precisamos para realizar a execução dos scripts, como imagem base, vamos utilizar uma do NodeJS Alpine, lembrando que, neste caso nossa cron executará um script escrito em node, você deve adaptar a imagem de acordo com a sua necessidade (se seu script é em PHP, então a imagem deve ser PHP, e assim por diante) veja como ficou nosso Dockerfile:

FROM node:8-alpine
RUN apk update && apk add tzdata &&\ 
    cp /usr/share/zoneinfo/America/Sao_Paulo /etc/localtime &&\ 
    echo "America/Sao_Paulo" > /etc/timezone &&\ 
    apk del tzdata && rm -rf /var/cache/apk/*
CMD chown root:root /etc/crontabs/root && /usr/sbin/crond -f

Não preciso explicar este Dockerfile né, você já deve ter lido este post né? 😉 salve-o dentro da pasta “cron”.

Bem, agora precisamos montar o resto do ambiente, para este lab, vamos criar um arquivo chamado cron1 com o seguinte conteúdo:

0 7,19 * * * /usr/local/bin/node /home/mundodocker/hello.js >> /var/log/cronteste/hello.log 2>&1

Neste caso, o script será executado as 7h e as 19h todos os dias, salve-o dentro da pasta “cron” também.

Veja, que neste caso o script que deverá ser executado é o /home/mundodocker/hello.js que contém algo simples em node:

console.log("Hello world");

Salve-o dentro da pasta “scripts”.

Ok, agora estamos quase prontos, pelo menos, tudo que precisamos está pronto, se quisermos podemos utilizar essa estrutura, pois ai já contém tudo que é necessário, obvio que isso não basta, visto que a intenção é deixar tudo automatizado. Para isso, é necessário que você tenha o docker-compose instalado, com isso conseguimos automatizar 100% do ambiente. Como você já sabe, para utilizarmos o docker-compose, precisamos de um arquivo no formato yaml com as definições de nosso ambiente, veja como ficou nosso docker-compose.yml:

version: "3"
services:
    cron:
        build: cron
        container_name: cronteste
        volumes:
            - /var/log/cronteste:/var/log/cronteste
            - ./cron/cron1:/etc/crontabs/root
            - ./sripts:/home/mundodocker

Para validar, você pode executar o comando:

docker-compose up

Com isso ele fará o build da imagem e em seguida iniciará um container com esse agendamento. Além das opções acima, você pode por exemplo limitar os recursos desse container, inclusive definir um valor minimo para o mesmo. Outra possibilidade é iniciar este container com um usuário especifico, dessa forma você não terá problemas com aquela execução com usuário root 😉

Validou? Tudo certo? Agora vamos fazer com que esse mesmo comando seja executado na inicialização do servidor, visto que, ele ficará no somente enquanto o servidor estiver ligado, e obviamente os agendamentos serão perdidos, não queremos isso certo?

Pois bem, em sistema onde você tem o systemd (Ubuntu, RedHat, Fedora, CentOS) você deverá criar um novo service, para isso, crie dentro de: “/lib/systemd/system/” um arquivo com nome de: docker-cron.service com o seguinte conteúdo:

[Unit]
Description=Docker Cron
Requires=docker.service
After=docker.service

[Service]
Restart=always
ExecStart=/usr/local/bin/docker-compose -f /home/mundodocker/docker-compose.yml up
ExecStop=/usr/local/bin/docker-compose -f /home/mundodocker/docker-compose.yml stop

[Install]
WantedBy=default.target

Criado o arquivo, basta fazer com que o systemctl releia o arquivo e adicione o serviço a sua base:

systemctl daemon-reload

Agora é simples, vamos adicionar este serviço ao startup do servidor:

systemctl enable docker-infra

Dessa forma você pode administrar da mesma forma que um serviço, ou seja, posso iniciar e parar esse agendamento a qualquer momento, e mesmo que o servidor seja reiniciado, o agendamento será persistido.

 

Ok, agora sim temos tudo 100% automático, não precisamos nos preocupar com mais nada, a não ser é claro em estender isso a  outros tipos de agendamento (se for este o seu caso é claro). Bom, por hora era isso, ficou com dúvida? Tem algo a contribuir? Por favor deixe nos comentários e vamos melhorando juntos 😉

 

Obrigado e grande abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Troubleshooting e dicas de Docker

Olá pessoal,

Já faz mais de 1 ano que criamos esse blog e hoje resolvemos fazer um post referente a como solucionar algumas dificuldades e problemas que tivemos no começo, visto que trabalhamos a mais de 2 anos já com Docker, tivemos muitos problemas que queremos demonstrar para vocês.

Instalando a versão mais recente

A maioria das pessoas que acabam por usar Ubuntu, Centos, RedHat ou qualquer outra distribuição utiliza seus próprios comandos para realizar a instalação do Docker, com yum ou apt-get. Mas a forma de utilizar as versões mais recentes são essas:

Versão oficial para se utilizar em produção:

curl -sSL https://get.docker.com/ | sh

Versão que se encontra ainda em fase de testes:

curl -fsSL https://test.docker.com/ | sh

Versão alpha que está em constante desenvolvimento:

curl -fsSL https://experimental.docker.com/ | sh

 Como remover todos os containers parados:

docker rm $(docker ps -a -q)

 Sincronizar o relógio do host com o container:

Isso é um dos principais problemas que as pessoas acabam encontrando as vezes.

Para Centos (Na hora de criar o container mapeia o diretório do host com o do container)

docker run -v /etc/localtime:/etc/localtime:ro centos date

Para Ubuntu (Na hora da criar o container passa como variável o timezone(tz)

docker run -e "TZ=America/Salvador" ubuntu date

 Comunicação entre containers:

Por padrão no Docker a comunicação entre os containers na mesma rede é liberado através de IP interno. Mas caso você queira que os containers não se comuniquem diretamente basta mudar na hora da criação da rede colocar icc=false.

docker network create -o com.docker.network.bridge.enable_icc=false rede_isolada

Montando volumes com services:

Quando criamos um container simples com docker run, existe a opção do -v onde podemos passar como parâmetro o nosso volume, porém com a implementação do services no Docker 1.12 ficou um pouco mais complicado na hora de passar um volume para o serviço:

Como você pode ver na opção “type” temos o “bind” que seria um diretório em nosso host:

docker service create --mount type=bind,source=/diretoriohost,target=/diretoriocontainer imagem

E também temos a opção volume que é passado o volume que é criado com “docker volume create…..

docker service create --mount type=volume,source=meuvolume,target=/diretoriocontainer imagem

 Docker commit e volume:

O comando “docker commit” gera uma imagem do nosso container, porém ele NÃO vai armazenar os dados do volume que estão atrelados a aquele container. Então o docker commit não irá servir de backup para os seus dados que estão no volume.

Não rode containers com –privileged

Com a opção de –privileged o container consegue facilmente acessar diversas áreas do seu host na qual podem ser cruciais caso alguém ache alguma brecha de segurança em sua aplicação.

Um processo para cada container.

Não instale pacotes desnecessários em seus containers, se você quer ter um container para apache, só instale o apache nele. Quer ter o PHP também? então suba outro container.

Cuidado com as regras de IPTABLES

Como o Docker trabalha com toda a sua parte de redes através de iptables, é bem provável que se você fizer alguma manutenção em seu firewall e editar alguma regra errada, toda a sua estrutura de Docker pode parar de funcionar por algum problema.

Coloque o diretório do docker em outro disco:

O docker utiliza o caminho “/var/lib/docker” para colocar todos os seus arquivos de instalação e também toda a sua estrutura de containers, volumes e mais outros recursos que ele utiliza. Então não deixe esse diretório no mesmo disco do seu SO.

Gostaram do post? Deixe seu feedback e novamente, nos ajudem divulgando o blog.

Grande abraço!

Trabalha em uma Startup com foco em Plataforma como Serviço (PaaS), é especialista em Cloud Computing e Conteinerização, desenvolve todo dia uma nova maneira de resolver problemas e criar coisas novas.

Aguarde...

Inscreva-se em nossa newsletter

E fique por dentro das novidades.