Docker EE e CE

Oi Pessoal!

No último dia 02 de março, o Docker anunciou uma grande mudança em sua plataforma, lançando oficialmente a versão enterprise da engine de containers mais utilizada atualmente. Mas o que muda? Responderemos isso e mais algumas outras dúvidas neste post!

Esse movimento adotado pelo Docker em, dividir, as versões da sua engine é algo já esperado pela comunidade, e para alguns veio até tarde. Mas por que isso agora? Por um motivo simples, produto. O Docker vem já algum tempo sendo desenvolvido como uma plataforma, agregando a cada nova release alguma correção que resolve um problema ou uma feature que melhora algum aspecto da engine.

Agora temos claro as linhas de trabalho do Docker, e como serão realizadas as atualizações na plataforma. As entregas de novas features, correção de bug, etc, seguiram a mesma linha adotada por outras empresas, ou seja, correção de bug e fix mais frequentes do que novas features, com isso a comunidade não precisará aguardar tanto tempo para ter uma correção já na engine.

Para ficar mais claro, dá uma olhada nessa imagem:

Docker Enterprise Edition

Fonte: https://blog.docker.com/2017/03/docker-enterprise-edition

Como você pode notar, as entregas para a versão community serão mais frequentes, e serão baseadas em correções e fix, tendo uma cadência mensal. Já entregas que envolvem novas features ou mudanças significativas nas engine serão realizadas a cada três meses. Já a versão enterprise terá apenas entregas trimestrais, com correções e novas features (caso tenha é claro) e o suporte será de um ano, baseado na data de lançamento.

Mas por que essa agora?

Há algum tempo estamos divulgando, ensinando e ajudando diversos públicos ao uso do Docker, tendo em vista versatilidade dessa plataforma, é claro e obvio a necessidade de adaptação do modelo de negócio para atender esses públicos, por exemplo:

Note que são perfis diversos, com necessidades e expectativas diferentes, mas em algum momento complementares. A versão enterprise do Docker visa o público que não quer apenas brincar, mas sim colocar em produção e disponibilizar para cliente.

Na imagem acima temos um apanhado geral das diferenças e onde cada versão é aplicada. Isso quer dizer que não posso colocar o Docker CE em produção? Não, isso quer dizer que se você usar a versão enterprise terá mais facilidade, já com a versão community será possível mas você terá mais trabalho.

 

Mudou o nome?

Sim, a versão community será algo parecido com isso:

# docker -v
Docker version 17.03.0-ce, build 60ccb22


Não teremos mais a nomenclatura de 1.xx, teremos então: ano.mes com a distinção entre CE e EE.

 

Tem mais alguma coisa nova?

Sim!!! Você já deve ter visto no anuncio oficial, agora há uma forma de você certificar seu ambiente seguindo as diretrizes do Docker, está disponível a Docker Store, um hub para publcação de recursos oficialmente homologados pelo Docker. Com isso, se você desejar criar um plugin para o Docker, por exemplo, você pode, atendendo uma série de requisitos, ter este plugin homologado e com certificado do Docker, o que obviamente aumenta sua relevância para quem usa.

Mas o que o Docker quer com isso? Te lembra daquelas imagens ali de cima, onde eram ilustrados os diferentes públicos que o Docker atende? Pois bem, dessa forma o Docker provê um recurso oficial, homologado e com o selo de aprovação deles para plugins, imagens, S.O, etc., atendendo assim a uma necessidade do mundo enterprise: “É confiável? Quem mantém?” dentre outras questões que este publico levanta no momento de decidir entre tecnologias.

Resumo, sim, o Docker acaba de se dividir em Community e Enterprise, até onde as coisas legais estarão na versão community só Deus sabe, mas a tendência é que sempre tenhamos  com o que brincar. E claro, para quem não quer perder tempo fazendo tudo na mão, existe a enterprise, que facilita tudo o que é possível.

Ufa, agora sim acabou 🙂

Nos ajude divulgando o blog! Grande abraço!

 

Docker 1.12 – O que vem por aí

Oi Pessoal,
Já vimos aqui no blog algumas ferramentas e soluções, como por exemplo: Docker Compose, Docker Swarm, SwarmkitDocker Network, dentre outros. Bom, o que você sabe sobre elas é essencial para entender a nova versão do Docker, que será lançada em agosto e que está em RC4 atualmente.

A grande novidade no Docker 1.12 é ter a orquestração nativa, sem a necessidade de ter duas ou mais ferramentas para criar seu cluster de Docker, basta apenas que você tenha a engine instalada e a partir dela poderá montar seu ambiente. Outra grande novidade é o conceito de serviço, esse conceito nós já tratamos em Swarmkit, e é algo que foi incorporado ao Docker para facilitar o deploy e escalonamento das aplicações. Vamos ver o que muda?

Orquestração:

Agora para você criar um cluster de Docker, basta rodar:

docker swarm init

Com isso você iniciará o primeiro nó do cluster, para adicionar mais nós ao cluster execute o seguinte comando em outro nó:

docker swarm join IP-DO-MANAGER:2377

Veja na imagem abaixo a sequência de comandos:

docker_swarm

Serviços:

No Docker 1.12 foi introduzido o conceito de serviço, que já existe no Kubernetes, e que agora possibilita a criação, atualização e escalonamento da sua camada de serviço (seja ela de frondend ou backend) de forma muito mais fácil. Por exemplo:

docker service create --replicas 1 --name servico1 alpine echo "Ola Mundo"

Dessa forma você estará criando um serviço com um container de Alpine, você pode aumentar a quantidade de containers que irão atender este serviço, para isso execute:
docker_service

Além de poder criar e escalonar, você pode ainda realizar a atualização de seu ambiente, basta utilizar o comando update, e pode ainda definir uma politica de atualização (por exemplo, executar a atualização em um container por vez, com isso ele removerá um container e iniciará um novo baseado na nova imagem). Você pode ainda, definir um bloco de rede para cada serviço, com isso você isola totalmente os ambientes, veja:

docker service create --replicas 3 --name webservers --network web --publish 80:80/tcp nginx

Dessa forma, serão criados 3 containers (caso você tenha colocar 2 ou mais hosts no cluster de Swarm, será criado um container por host). O mais interessante nesse ambiente é que, se você acessar a porta 80 de qualquer host que esteja no cluster Swarm, seu acesso será redirecionado ao serviço, independente se o container esteja nele ou não, isso por que o Docker garante que o serviço esteja acessível mesmo que um nó venha a falhar. E como o Docker faz isso? Simples, através da 3 feature adicionada nessa versão:

Roteamento:

Quando você criar um cluster via Docker Swarm, o Docker se encarregará de atribuir ao serviço um identificador único dentro do cluster, com isso, quando for solicitado acesso á porta exposta na criação do serviço, o acesso será roteado para o container que é responsável por aquele serviço (ou mais de um é claro), ele faz isso através do algoritmo de routing mesh que está presente na engine, ele identifica quem possuí o container que atende o serviço e redireciona o trafego para ele, por isso é importante que, quando você criar um novo serviço define uma rede também, pois reduzirá o tempo de processamento que a engine precisará para identificar onde encontra-se o container.

Segurança:

Por último e não menos importante, vem a questão de segurança. No Docker 1.12, toda a comunicação do cluster é realizada via tls, e quem garante o rotacionamento desses certificados (renovação e deploy) assim como a criação de certificados para novos nós é o nó manager, que é eleito baseado em uma série de parâmetros (disponibilidade e saúde), mas que de maneira geral é o primeiro nó onde você iniciou o cluster. Os certificados são rotacionados de tempos em tempos, e você pode modificar essa politica também.

Há mais coisas? Claro! Foi adicionado também um sub comando do comando docker plugin que permite você plugar de forma mais fácil os plugins do Docker, quando você realizar um docker plugin install nome_do_plugin, lhe será informado ao que exatamente aquele plugin terá acesso, e poderá assim permitir ou não sua instalação.

Bacana né? Se gostou nos ajude divulgando o blog e caso tenha dúvida nos avise 😉

Grande Abraço!

Docker 1.10

Oi Pessoal,

Novidades no Docker, é claro que tem aqui no  mundodocker.com.br ;). Vamos trazer um apanhado do que há de novo na última versão da engine, assim como nas ferramentas do seu ecossistema. Vamos lá:

Docker Engine 1.10

  • Melhoramento na captura de eventos: A instrução docker events foi reformulada e teve uma melhoria significativa nos métodos utilizados, isso garante um tempo de resposta menor e mais precisão nos dados capturados.
  • Aperfeiçoamento no trabalho com imagens: Foram refatorados diversos trechos de código o que tornou o download e upload de imagens cerca de 3 vezes mais rápida, e garante um melhor controle em caso de falha do download.
  • Alteração de configuração online: Quando você seta os valores de limite (como cpu, memória, etc), tradicionalmente você precisaria reiniciar o container ou até mesmo recria-lo, agora na versão 1.10 você pode fazer essa alteração online, utilizando o comando: docker update.
  • Arquivo de configuração: Agora é possível redefinir alguns parâmetros e recarregar o docker sem a necessidade de reiniciar nada.
  • Sistema de arquivo temporário: A partir da versão 1.10 ficou mais fácil criar um ponto de montagem temporário, isso é muito útil quando você tem um container read-only mas sua aplicação precisa escrever em disco (log, sessão, etc), basta passar o parâmetro: –tmpfs no docker run.
  • Restrições de I/O de disco: É possível definir diversos parâmetros para restringir acesso a disco, entre eles: --device-read-bps, --device-write-bps, --device-read-iops, --device-write-iops, e --blkio-weight-device
  • Novo plugin de log: Agora é possível integrar o Splunk ao Docker para coleta dos logs.
  • Entre outras diversas correções de segurança e performance.

Docker Swarm 1.1

  • Reagendar containers quando um nó falhar: Essa é uma solução em fase de testes ainda, mas permite que o Swarm recrie o container em um nó que esteja disponível para atender, lembrando que esse é um recurso de teste, é possível que tenha alguns bug ainda.
  • Foram realizadas diversas melhorias para definição da ‘saúde’ do nó, isso garante um melhor gerenciamento dos recursos utilizados e claro possibilita criar um politica mais eficiente de deploy.

Docker Network

Na parte de rede do Docker foram feitas algumas melhorias significativas, algumas apenas ajustes e resolução de problemas encontrados na versão anterior, outras novidades mesmo, entre elas:

  • Rede Interna: Agora é possível criar uma rede para trafego interno (de entrada e saída), facilitando assim a sub-divisão das redes e facilita a organização topológica de seus ambiente.
  • IP personalizado: Você pode definir um ip personalizado independente da rede onde ele está criado, você não fica restrito ao range de ip de onde sua rede pertence.
  • Rede multi-host: Suporte todas as versões antigas do kernel (do 3.10 em diante), até a versão 1.9 você só poderia utilizar esse recursos em uma versão especifica do kernel.

Docker Compose, Machine e Registry: Tiveram algumas correções de bug e refatoração em seus códigos para que ficassem mais performáticos, mas nenhuma grande novidade, mas com certeza serão trabalhados para a próxima versão.

Espero que tenha ajudado, e não fique esperando, baixe e utilize essa última versão, para a comunidade isso é muito importante, quanto mais feedback melhor, e isso vale para o nosso blog também 😉

Se gostou, ajuda divulgando o blog, grande abraço!

Aguarde...

Inscreva-se em nossa newsletter

E fique por dentro das novidades.