Docker Compose v3

Olá pessoal, tudo bem?

 

Conforme falamos em um post anterior o Docker lançou uma nova versão a 1.13 e nessa nova versão tivemos diversas melhorias e com a entrada dessa nossa versão também tivemos a criação de uma nova versão no Docker Compose que é a v3. Essa nova versão é totalmente compatível com o Docker Swarm que hoje é nativo na mesma engine no Docker, então agora com Docker Compose podemos gerenciar nossos serviços através do Docker Swarm.

Agora com a V3 existe opção chamada deploy que é responsável por realizar as implantações e execução de serviços. Dentro dessa opção temos as seguintes funções:

  • Mode
    • Onde é possível escolher a opção “Global” (Um container por nó de swarm) ou “Replicated” (Onde posso escolher a quantidade de réplicas que estarão distribuídas entre os nós). O padrão é replicated.
    • Replicas
      • replicas: x
    • Global
  • Placement
    • Especifica restrições de posicionamento são elas:
      • node.id = idworker
      • node.hostname = nomeworker
      • node.role = manager ou worker
      • node.lables = nome
      • engine.labels = Sistema Operacional ou Driver
  • Update_config
    • Configura como devem ser as opções de atualizações dos serviços.
    • Parallelism: 5 #O Numero de containers que vão ser atualizados em paralelo.
    • delay: 10s #O tempo entre cada grupo de containers será atualizado
    • failure_action: pause ou continue #O que irá acontecer se a atualização falhar. O padrão é pause.
    • monitor: 0s # Duração após cada atualização para monitorar a falha. O padrão é 0s.
    • max_failure_ratio: #Taxa de falha para atualizar.
  • resources
    • Configura a restrição de recursos
      • limits:
        • cpus: ‘0.5’ # 0.5 representa 50% de um núcleo, porem pode ser 1 ou 1.5 ou 2….
        • memory: ‘512M’ #apenas especificar o prefixo M, G, K….
  • Restart_policy
    • Configura como reiniciar os containers quando eles derem exit.
      • condity: none on-failure any #Por padrão é any
      • delay: 0s #Tempo entre as tentativas de reiniciar o containers #Por padrão é 0s
      • max_attempts: 0 #Quantas vezes irá tentar subir o container antes de desistir #Por padrão é nunca desistir.
      • window: 0s #Quanto tempo demora para decidir se um reinicio foi bem sucedido  #Por padrão é imediatamente,

 

Alem dessas opções, com a entrada da V3 foram descontinuadas as seguintes opções do Docker Compose: volume_driver, volumes_from, cpu_shares, cpu_quota, cpuset, mem_limit, memswap_limit

Agora vamos demonstrar um exemplo de como ficaria o docker-compose.yml com essas opções que mostramos acima.

version: "3"
services:

  redis:
    image: redis
    ports:
      - "6379"
    deploy:
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
  nginx:
    image: nginx
    ports:
      - 80:80
    depends_on:
      - redis
    deploy:
      mode: replicated
      replicas: 2
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
      resources:
        limits:
          memory: 512M
      restart_policy:
        condition: on-failure
        delay: 10s

Executando o comando docker deploy --compose-file docker-compose.yml nomedastack criamos a stack mencionada acima em nossa estrutura. Após executar esse comando é possível dar um docker stack ls e você poderá ver que a sua stack foi criada, com o nome da sua stack você pode executar o docker stack services nomedastack e poderá ver os serviços criados e qual o seu status.

Então ta pessoal, por hoje era isso, espero que tenham gostado e qualquer dúvida é só deixar um comentário que estaremos felizes em lhe ajudar, nos ajude divulgando o blog obrigado!

 

Docker Service

Oi Pessoal,

Hoje queremos trazer em detalhes para vocês uma das features implementadas no Docker 1.12 (que foi lançado no último dia 29), e que já mencionamos aqui, que é o Docker Service. Para quem ainda não leu o nosso post sobre as novidades do Docker 1.12, o Docker Service é uma feature que foi incorporada pela engine Docker em sua última versão e que permite ao administrador criar e administrar sua stack de serviço dentro de um cluster Swarm, sem precisar utilizar uma segunda ferramenta para isso. Ela é parte integrante de uma série de melhorias que permitiram ao Docker 1.12 ter a camada de orquestração nativa em sua engine.

Mas afinal, como isso me ajuda? Bem, nas versões anteriores do Docker, para você ter algum tipo de orquestração você teria que utilizar uma série de ferramentas, como por exemplo: Docker Swarm, Docker Compose isso sem falar, que, se você quisesse provisionar isso em larga escala mesmo, o recomendado era utilizar Kubernetes, Mesos ou alguma outra forma de orquestração mais adequada. Agora está tudo dentro da própria engine do Docker, o que permite você ter maior controle sob o que está utilizando, e claro, permite você manipular esse ambiente de forma mais simples.

Para serviço especificamente, foi adicionado o sub-comando: docker service, e dentro dele alguns itens, veja:

  1. docker service create: Possibilita a criação de sua stack de serviço, é ele o que você mais vai ver hoje ;)
  2. docker service inspect: Verifica as informações sobre seu serviço e retorna informações sobre parametro utilizados para inicialização do mesmo, imagem utilizada, etc.
  3. docker service ls: Lista todos os serviços que você tem criado, e lhe retorna informações sobre nome, quantidade de replicas, etc.
  4. docker service rm: Remove o serviço desejado do cluster
  5. docker service ps: 2° comando mais útil, retorna para você o status de cada container que atende um serviço, é muito parecido com o docker ps, com a diferença de lhe trazer apenas informações sobre os container que fazem parte de um serviço criado, você pode ainda utilizar filtros para ter um retorno mais simplificado.
  6. docker service scale: Com o scale é possível realizar o escalonamento de seu serviço, é possível você aumentar a quantidade de containers que atenderão o seu serviço.
  7. docker service update: Comando que lhe permite realizar modificações no serviço criado, através dele é possível modificar informações sobre quantidade de memória, cpu, dentre muitas outras coisas em seu serviço.

Tudo certo com a teoria? Então vamos a prática :), nosso problema: Queremos criar uma stack para nosso ElasticSearch, nosso objetivo é escalar esse ambiente quantas vezes eu quiser e atualiza-lo de forma consistente.

Primeiro temos que criar nosso service:

docker service create --replicas 1 --update-delay 10s --update-parallelism 1 --name elasticsearch elasticsearch

O que isso quer dizer? Vamos lá:

  • Replicas – Número de containers que eu quero criar nesse momento, deve ser no mínimo um (por motivos óbvios);
  • Update-delay – Quando for realizado uma procedimento de atualização do ambiente, qual será a cadência de atualização dos containers.
  • Update-parallelism – Quantidade de containers que desejamos atualizar por vez
  • Name – Nome do serviço e por último a imagem que vamos utilizar para esse serviço.

O retorno do comando será algo parecido com isso:

docker-service1

Certo, meu serviço está criado, como escalono ele agora? Fácil, olha o print 🙂

docker-service2

Note que para escalar, basta executar o comando: docker service scale $(seu-servico)=numero. Agora vamos atualizar o nosso ambiente, certo? Muito fácil, basta executar o comando: docker service update, com ele é possível modificar diversos atributos do serviço, como por exemplo: Portas publicadas, limites de recursos, número de replicas, imagem, politica de escalonamento, etc.

Em nosso exemplo vamos atualizar a imagem que nosso serviço utiliza, veja que quando criamos, a imagem utilizada era a elasticsearch:latest, agora queremos testar a última versão do elasticsearch, que está em alpha (no dia da criação desse post) que é a 5.0, para isso basta executar: docker service update –image elasticsearch:5.0 elasticsearch, veja o que aconteceu:

docker-service3

Veja que nosso serviço não foi atualizado de uma vez só, esse processo foi sendo realizado conforme os containers iam sendo atualizados, isso devido a nossa politica de update que definimos na criação do serviço. Com o update você pode realizar diversas ações, veja mais em: docker service update –help, ele lhe mostrará todas as opções disponíveis.

Como removemos um serviço? Bem, você já deve ter imaginado como: docker service rm nome_do_servico.

Ahh, você se lembra que falamos aqui que no Docker 1.12 era possível criar um serviço distribuído dentro Swarm e acessá-lo de qualquer lugar? Pois bem, quando você criar um serviço você pode especificar qual será a porta publica dele, no exemplo acima não utilizamos isso, mas você pode definir (através do parâmetro -p) que a porta 8080 seja a porta de seu serviço, com isso todo o trafego enviado para a porta 8080 nos ips de seus nós do cluster de Swarm será redirecionado para os containers que atendam esse serviço. Lembrando que para você criar um serviço distribuído é necessário ter um cluster de Swarm ativo.

Gostaram do post? Deixe seu feedback e novamente, nos ajudem divulgando o blog.

Grande abraço!

 

Docker 1.12 – O que vem por aí

Oi Pessoal,
Já vimos aqui no blog algumas ferramentas e soluções, como por exemplo: Docker Compose, Docker Swarm, SwarmkitDocker Network, dentre outros. Bom, o que você sabe sobre elas é essencial para entender a nova versão do Docker, que será lançada em agosto e que está em RC4 atualmente.

A grande novidade no Docker 1.12 é ter a orquestração nativa, sem a necessidade de ter duas ou mais ferramentas para criar seu cluster de Docker, basta apenas que você tenha a engine instalada e a partir dela poderá montar seu ambiente. Outra grande novidade é o conceito de serviço, esse conceito nós já tratamos em Swarmkit, e é algo que foi incorporado ao Docker para facilitar o deploy e escalonamento das aplicações. Vamos ver o que muda?

Orquestração:

Agora para você criar um cluster de Docker, basta rodar:

docker swarm init

Com isso você iniciará o primeiro nó do cluster, para adicionar mais nós ao cluster execute o seguinte comando em outro nó:

docker swarm join IP-DO-MANAGER:2377

Veja na imagem abaixo a sequência de comandos:

docker_swarm

Serviços:

No Docker 1.12 foi introduzido o conceito de serviço, que já existe no Kubernetes, e que agora possibilita a criação, atualização e escalonamento da sua camada de serviço (seja ela de frondend ou backend) de forma muito mais fácil. Por exemplo:

docker service create --replicas 1 --name servico1 alpine echo "Ola Mundo"

Dessa forma você estará criando um serviço com um container de Alpine, você pode aumentar a quantidade de containers que irão atender este serviço, para isso execute:
docker_service

Além de poder criar e escalonar, você pode ainda realizar a atualização de seu ambiente, basta utilizar o comando update, e pode ainda definir uma politica de atualização (por exemplo, executar a atualização em um container por vez, com isso ele removerá um container e iniciará um novo baseado na nova imagem). Você pode ainda, definir um bloco de rede para cada serviço, com isso você isola totalmente os ambientes, veja:

docker service create --replicas 3 --name webservers --network web --publish 80:80/tcp nginx

Dessa forma, serão criados 3 containers (caso você tenha colocar 2 ou mais hosts no cluster de Swarm, será criado um container por host). O mais interessante nesse ambiente é que, se você acessar a porta 80 de qualquer host que esteja no cluster Swarm, seu acesso será redirecionado ao serviço, independente se o container esteja nele ou não, isso por que o Docker garante que o serviço esteja acessível mesmo que um nó venha a falhar. E como o Docker faz isso? Simples, através da 3 feature adicionada nessa versão:

Roteamento:

Quando você criar um cluster via Docker Swarm, o Docker se encarregará de atribuir ao serviço um identificador único dentro do cluster, com isso, quando for solicitado acesso á porta exposta na criação do serviço, o acesso será roteado para o container que é responsável por aquele serviço (ou mais de um é claro), ele faz isso através do algoritmo de routing mesh que está presente na engine, ele identifica quem possuí o container que atende o serviço e redireciona o trafego para ele, por isso é importante que, quando você criar um novo serviço define uma rede também, pois reduzirá o tempo de processamento que a engine precisará para identificar onde encontra-se o container.

Segurança:

Por último e não menos importante, vem a questão de segurança. No Docker 1.12, toda a comunicação do cluster é realizada via tls, e quem garante o rotacionamento desses certificados (renovação e deploy) assim como a criação de certificados para novos nós é o nó manager, que é eleito baseado em uma série de parâmetros (disponibilidade e saúde), mas que de maneira geral é o primeiro nó onde você iniciou o cluster. Os certificados são rotacionados de tempos em tempos, e você pode modificar essa politica também.

Há mais coisas? Claro! Foi adicionado também um sub comando do comando docker plugin que permite você plugar de forma mais fácil os plugins do Docker, quando você realizar um docker plugin install nome_do_plugin, lhe será informado ao que exatamente aquele plugin terá acesso, e poderá assim permitir ou não sua instalação.

Bacana né? Se gostou nos ajude divulgando o blog e caso tenha dúvida nos avise 😉

Grande Abraço!

Docker Swarm

Oi Pessoal,

Hoje queremos trazer para vocês mais uma das ferramentas que o Docker disponibiliza em seu ecossistema, chegou a hora de conhecermos o Docker Swarm. O Docker Swarm é uma ferramenta nativa do Docker que permite a criação de clusters de Docker, ou seja, podemos fazer com que diversos hosts de Docker estejam dentro do mesmo pool de recursos, facilitando assim o deploy de containers. É possível por exemplo criar um container sem necessariamente saber em qual host ele está, pois o Swarm disponibilidade uma API de integração, onde é possível realizar grande parte das atividades administrativas de um container. Quer ver na prática?

Requisitos:

  • Estar com a versão 1.6+ do Docker
  • Abrir a API do Docker para o Swarm Manager

 

Mãos a obra:

1 – Baixando a imagem oficial:

$ docker pull swarm

2 – Criando o cluster:

$ docker run --rm swarm create 
4765653423fdecsdfe875954a6e2h78ed # 

 

O retorno desse comando será o ID do Cluster, armazena essa informação pois será importante nas próximas etapas.

3 – Adicionando nós ao cluster:

$ docker run -d swarm join --addr=<node_ip:2375> token://4765653423fdecsdfe875954a6e2h78ed

4 – Configurando o Manager:

$ docker run -d -p <porta_manager>:2375 swarm manage token://4765653423fdecsdfe875954a6e2h78ed

Lembrando que <porta_manager> será a porta que você utilizará para se comunicar com o Swarm Manager, responsável pela administração do cluster, a arquitetura ficará da forma como a imagem abaixo:

5 – Verificando o Cluster:

$ docker -H tcp://ip:porta_manager> info

O retorno será algo parecido com isso:

Containers: 0 
Nodes: 3 
agent-2: 172.31.0.1:2375 
  └ Containers: 0 
  └ Reserved CPUs: 0 / 1 
  └ Reserved Memory: 0 B / 514.5 MiB 
agent-1: 172.31.0.2:2375 
  └ Containers: 0 
  └ Reserved CPUs: 0 / 1
  └ Reserved Memory: 0 B / 514.5 MiB 
agent-0: 172.31.0.3:2375 
  └ Containers: 0 
  └ Reserved CPUs: 0 / 1 
  └ Reserved Memory: 0 B / 514.5 MiB

Você pode enfrentar alguma dificuldade relacionada a TLS, principalmente se estiver apenas testando, para resolver isso basta executar: unset DOCKER_TLS_VERIFY, com isso não será verificado se os hosts possuem acesso via TLS ativado.

Para administrar seu cluster (criar containers, etc) basta utilizar o IP e Porta do Swarm Manage, dessa forma:

$ docker -H tcp://<manager_ip:manager_port> info 
$ docker -H tcp://<manager_ip:manager_port> run ... 
$ docker -H tcp://<manager_ip:manager_port> ps 

Para listar os nós que fazem parte do cluster, bata utilizar o comando abaixo:

$ docker run --rm swarm list token://4765653423fdecsdfe875954a6e2h78ed
172.31.0.1:2375 
172.31.0.2:2375 
172.31.0.3:2375

 

É claro que isso é apenas o início, tendo o cluster montado é possível criar filtros de identificação por tipo de serviço, isso é muito útil para criar containers com o mesmo tipo de serviço em um mesmo local sem a necessidade de saber onde. Mas isso é história para um próximo post 😉

Fique atento as novidades do Blog, e ajude divulgando o mundodocker.com.br.

Abraço!

 

Aguarde...

Inscreva-se em nossa newsletter

E fique por dentro das novidades.