Traefik e Docker Swarm

Opa!

Acreditamos que um dos maiores desafios quando se trabalha com alguma tecnologia de cluster, é a forma como você vai disponibilizar o conteúdo para seu usuário/cliente, obviamente isso pode ser feito de diversas maneiras, e cada uma delas atender a uma necessidade e objetivo.

A intenção hoje é trazer à vocês uma forma simples de se disponibilizar conteúdo web (site, api, etc.) e que tem como backend o Docker Swarm, sim, hoje falaremos do Traefik, um poderoso proxy web dinâmico. Antes disso, temos que responder a seguinte dúvida: Por que diabos preciso de um proxy reverso dinâmico? Simples, por que as implementações atuais de Apache, Haproxy e Nginx foram desenvolvidas para serem estáticos, necessitando de intervenções para que as modificações sejam aplicadas. É claro que existem iniciativas que tratam isso, e são boas alternativas também, como é o caso do docker-flow-proxy e jwilder/nginx mas são presas ao que as tecnologias base oferecerem. No caso do traefik, a situação é bem diferente, ele é um proxy arquitetado e desenvolvimento para ser totalmente dinâmico e orientado a micro-serviços, além disso, ele suporta nativamente diversos tipos de backend, como é o caso do Docker Swarm, Kubernetes, Mesos, Docker apenas, Consul, dentre muitos outros.

Features

Algumas features/benefícios do Traefik, incluem:

  • Veloz.
  • Sem dependência, ele é um binário escrito em go.
  • Existe imagem oficial para Docker.
  • Fornece uma API Rest.
  • Reconfiguração sem a necessidade de reiniciar o processo.
  • Metricas (Rest, Prometheus, Datadog, Statd).
  • Web UI em AngularJS.
  • Suporte a Let’s Encrypt (Com renovação automática).
  • Alta disponibilidade em modo cluster (beta).

O Traefik foi desenvolvido para atender a demanda de requisições web, então ele pode ser utilizado para fazer o roteamento das conexões de um site ou api para o container ou serviço que foi criada para isso. A imagem abaixo é clássica, e explica bem esse comportamento:

Fonte: https://docs.traefik.io

Como pode ser visto, o traefik fica “ouvindo” as ações que ocorrem no orquestrador (independente de qual for) e baseado nessa ações se reconfigura para garantir o acesso ao serviço/container criado. Dessa forma basta você apontar as requisições web (seja http ou https) para o servidor onde o traefik está trabalhando.

Mãos a massa?

Em nosso lab, vamos montar esse ambiente utilizando o Docker Swarm como nosso orquestrador, para isso, tenha pelo menos três hosts, inicialize o Swarm em um deles, e em seguida adicione os demais ao cluster.

Feito isso, precisamos criar um rede do tipo overlay, que será utilizada pelo traefik para enviar o trafego web:

docker network create -d overlay net

Depois de inicializada a rede overlay, basta criar o serviço do traefik:

docker service create --name traefik --constraint 'node.role==manager' --publish 80:80 --publish 8080:8080 --mount type=bind,source=/var/run/docker.sock,target=/var/run/docker.sock --network net traefik:camembert --docker --docker.swarmmode --docker.domain=mundodocker --docker.watch --logLevel=DEBUG --web

Com este comando, será criado um serviço mapeando o socket do Docker para que o traefik possa monitorar o que acontece neste cluster, além disso são expostas as porta 80 (para acesso dos sites/apis) e 8080 (página administrativa do traefik), caso preciso da 443, basta adicionar a lista.

Ok, até agora o que fizemos foi criar o serviço do traefik no cluster para que monitore e se reconfigure baseado nos eventos do cluster. Agora precisamos criar nossos serviços web e ver se tudo funcionará como deveria. Vamos lá:

Blog:

Vamos criar agora uma nova aplicação web, que será responsável por um blog, o processo de criação é bem simples:

docker service create --name blog --label 'traefik.port=80' --label traefik.frontend.rule="Host:blog.mundodocker.com.br;" --network net wordpress

Criamos um serviço com nome de blog, utilizando uma imagem do WordPress e adicionamos na rede “net”, essa mesma rede onde o traefik está, agora vamos detalhar os novos parâmetros:

  • traefik.port = Porta onde a aplicação vai trabalhar, nos caso do wordpress, será na porta 80 mesmo.
  • traefik.frontend.rule = Qual será o virtual host que este serviço atende, com isso o traefik consegue definir que, quando chegar uma requisição para: blog.mundodocker.com.br, encaminhará as requisições para o serviço correto.

Agora basta apontar no DNS a entrada blog.mundodocker.com.br para o servidor do traefik e a mágica estará feita.

Site:

Para ver como é difícil, tudo que você precisa fazer é executar este comando:

docker service create --name site --label 'traefik.port=80' --label traefik.frontend.rule="Host:www.mundodocker.com.br;" --network net tutum/apache-php

Dessa vez criamos um novo serviço, na mesma rede, mas com alguns parâmetros diferentes, como é o caso do traefik.frontend.rule, onde especificamos um novo endereço, e claro a imagem que vamos utilizar, que agora é a tutum/apache-php.

URLs:

Outra feature muito legal do traefik é a possibilidade de redirecionar URLs para backends diferentes. O que isso quer dizer? Quer dizer que podemos enviar partes de uma aplicação para serviços diversos, por exemplo, na aplicação existe um /compras e um /categoria, podemos enviar essas URLs para serviços distintos, isso apenas informando o traefik, veja:

docker service create --name categoria --label 'traefik.port=3000' --label traefik.frontend.rule="Host:www.mundodocker.com.br; Path: /categoria/" --network net node

Note que agora temos um novo parâmetro, o “Path” onde especificamos qual URL este serviço vai atender, o resto é semelhante, informamos a porta e imagem que este serviço vai utilizar. Para criar um serviço especifico para outra URL, basta:

docker service create --name compras --label 'traefik.port=3000' --label traefik.frontend.rule="Host:www.mundodocker.com.br; Path: /compras/" --network -net node

E pronto, sua aplicação estará “quebrada” entre vários serviços, e o mais legal é que você não precisou editar um arquivo de configuração se quer. Além dessas facilidades, o traefik ainda disponibiliza uma interface para visualizar como está a saúde das url, em nosso lab você acessará pela porta 8080, e você visualizará algo assim:

Neste dashboard você poderá visualizar como estão configuradas as suas entradas no proxy. Na aba health você poderá visualizar como está o tempo de resposta das url e saber se está tudo certo com o trafego, veja:

Bonito né? E além de tudo, extremamente funcional 🙂 , em posts futuros veremos um pouco mais sobre como funciona a API do traefik, como configurar o let’s encrypt, e alguns outros pontos, por enquanto, como post introdutório, era isso que gostaria de trazer a vocês.

Esperemos que tenham gostado, qualquer dúvida/sugestão nos avise 😉

Grande abraço, até mais!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker Service

Oi Pessoal,

Hoje queremos trazer em detalhes para vocês uma das features implementadas no Docker 1.12 (que foi lançado no último dia 29), e que já mencionamos aqui, que é o Docker Service. Para quem ainda não leu o nosso post sobre as novidades do Docker 1.12, o Docker Service é uma feature que foi incorporada pela engine Docker em sua última versão e que permite ao administrador criar e administrar sua stack de serviço dentro de um cluster Swarm, sem precisar utilizar uma segunda ferramenta para isso. Ela é parte integrante de uma série de melhorias que permitiram ao Docker 1.12 ter a camada de orquestração nativa em sua engine.

Mas afinal, como isso me ajuda? Bem, nas versões anteriores do Docker, para você ter algum tipo de orquestração você teria que utilizar uma série de ferramentas, como por exemplo: Docker Swarm, Docker Compose isso sem falar, que, se você quisesse provisionar isso em larga escala mesmo, o recomendado era utilizar Kubernetes, Mesos ou alguma outra forma de orquestração mais adequada. Agora está tudo dentro da própria engine do Docker, o que permite você ter maior controle sob o que está utilizando, e claro, permite você manipular esse ambiente de forma mais simples.

Para serviço especificamente, foi adicionado o sub-comando: docker service, e dentro dele alguns itens, veja:

  1. docker service create: Possibilita a criação de sua stack de serviço, é ele o que você mais vai ver hoje ;)
  2. docker service inspect: Verifica as informações sobre seu serviço e retorna informações sobre parametro utilizados para inicialização do mesmo, imagem utilizada, etc.
  3. docker service ls: Lista todos os serviços que você tem criado, e lhe retorna informações sobre nome, quantidade de replicas, etc.
  4. docker service rm: Remove o serviço desejado do cluster
  5. docker service ps: 2° comando mais útil, retorna para você o status de cada container que atende um serviço, é muito parecido com o docker ps, com a diferença de lhe trazer apenas informações sobre os container que fazem parte de um serviço criado, você pode ainda utilizar filtros para ter um retorno mais simplificado.
  6. docker service scale: Com o scale é possível realizar o escalonamento de seu serviço, é possível você aumentar a quantidade de containers que atenderão o seu serviço.
  7. docker service update: Comando que lhe permite realizar modificações no serviço criado, através dele é possível modificar informações sobre quantidade de memória, cpu, dentre muitas outras coisas em seu serviço.

Tudo certo com a teoria? Então vamos a prática :), nosso problema: Queremos criar uma stack para nosso ElasticSearch, nosso objetivo é escalar esse ambiente quantas vezes eu quiser e atualiza-lo de forma consistente.

Primeiro temos que criar nosso service:

docker service create --replicas 1 --update-delay 10s --update-parallelism 1 --name elasticsearch elasticsearch

O que isso quer dizer? Vamos lá:

  • Replicas – Número de containers que eu quero criar nesse momento, deve ser no mínimo um (por motivos óbvios);
  • Update-delay – Quando for realizado uma procedimento de atualização do ambiente, qual será a cadência de atualização dos containers.
  • Update-parallelism – Quantidade de containers que desejamos atualizar por vez
  • Name – Nome do serviço e por último a imagem que vamos utilizar para esse serviço.

O retorno do comando será algo parecido com isso:

docker-service1

Certo, meu serviço está criado, como escalono ele agora? Fácil, olha o print 🙂

docker-service2

Note que para escalar, basta executar o comando: docker service scale $(seu-servico)=numero. Agora vamos atualizar o nosso ambiente, certo? Muito fácil, basta executar o comando: docker service update, com ele é possível modificar diversos atributos do serviço, como por exemplo: Portas publicadas, limites de recursos, número de replicas, imagem, politica de escalonamento, etc.

Em nosso exemplo vamos atualizar a imagem que nosso serviço utiliza, veja que quando criamos, a imagem utilizada era a elasticsearch:latest, agora queremos testar a última versão do elasticsearch, que está em alpha (no dia da criação desse post) que é a 5.0, para isso basta executar: docker service update –image elasticsearch:5.0 elasticsearch, veja o que aconteceu:

docker-service3

Veja que nosso serviço não foi atualizado de uma vez só, esse processo foi sendo realizado conforme os containers iam sendo atualizados, isso devido a nossa politica de update que definimos na criação do serviço. Com o update você pode realizar diversas ações, veja mais em: docker service update –help, ele lhe mostrará todas as opções disponíveis.

Como removemos um serviço? Bem, você já deve ter imaginado como: docker service rm nome_do_servico.

Ahh, você se lembra que falamos aqui que no Docker 1.12 era possível criar um serviço distribuído dentro Swarm e acessá-lo de qualquer lugar? Pois bem, quando você criar um serviço você pode especificar qual será a porta publica dele, no exemplo acima não utilizamos isso, mas você pode definir (através do parâmetro -p) que a porta 8080 seja a porta de seu serviço, com isso todo o trafego enviado para a porta 8080 nos ips de seus nós do cluster de Swarm será redirecionado para os containers que atendam esse serviço. Lembrando que para você criar um serviço distribuído é necessário ter um cluster de Swarm ativo.

Gostaram do post? Deixe seu feedback e novamente, nos ajudem divulgando o blog.

Grande abraço!

 

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.