Docker Stack e Deploy

Oi Pessoal,

Nós já conversamos sobre o Docker 1.13 aqui, agora vamos explorar um pouco mais sobre essa funcionalidade que saiu do modo experimental e tornou-se parte da engine estável do Docker, sim estamos falando do docker stack/deploy. Mas antes, recomendo fortemente você ler este post aqui sobre docker compose v3, ele é muito, mas muito importante mesmo para os exemplos que veremos neste post.

Agora com o Docker 1.13 é possível você portar suas aplicações do compose para o Swarm, e isso graças a funcionalidade de deploy disponível na engine. Seu funcionamento é bem simples, basta você informar na execução do comando o diretório de onde está o seu arquivo compose, e o nome da aplicação, se lembra que falei que era muito importante olhar esse post? Pois bem, não adianta você ter um compose escrito para a versão 2 e tentar utilizar aqui, será necessário você se altere para as novas regras da versão 3 para que seja possível a criação de sua stack pelo docker deploy. Mas digamos que você já tem seu arquivo pronto na versão 3, vamos pegar o exemplo do outro post, basta executar:

$ docker deploy --compose-file docker-compose.yml app

O retorno desse comando será

$ docker deploy --compose-file docker-compose.yml app
Creating network app_default
Creating service app_nginx
Creating service app_redis

Dessa forma foram criados uma rede e dois serviços, o mesmos definidos no arquivo compose. Para obter mais informações da stack, você pode executar os comandos:

$ docker stack ls
NAME SERVICES
app 2

Com o stack ls, será retornado todas as stacks que você criou, neste caso retornou apenas a “app” e informa também quantos serviços existem para essa stack, com este comando:

$ docker stack ps app
ID NAME IMAGE NODE DESIRED STATE CURRENT STATE ERROR PORTS
xb02xrua71db app_redis.1 redis:latest node1 Running Running 7 minutes ago
lm7k8obhncyl app_nginx.1 nginx:latest node1 Running Running 7 minutes ago
jh65f9scx0cq app_nginx.2 nginx:latest node1 Running Running 7 minutes ago

Você visualizará mais informações sobre a stack, como por exemplo o id de cada container, imagem utilizada, nome do container, nó onde está executando e claro o estado de cada container. Você pode ainda, executar o comando:

$ docker stack services app
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
g3i4f4erympf app_nginx replicated 2/2 nginx:latest
s11w093eraxz app_redis replicated 1/1 redis:latest

Para ter a visualização de sua stack no mesmo formato dos serviços (docker service ls).

O que fizemos até aqui foi portar uma stack do docker-compose para o cluster de swarm.

 

“Ahh mas como assim?”

Bom se você pegar esse mesmo arquivo de compose e executar: docker-compose up -d, ele funcionará também, sem erro, sua stack iniciará e ficará disponível para uso, MAS, não em cluster :), você continuará utilizando o docker-compose da mesma forma que antes, sem os benefícios do Swarm. Apenas com o docker deploy é que você poderá fazer o deploy e gerenciamento de sua stack dentro do cluster de swarm.

“Ok, entendido, mas como eu escalo agora a minha stack? Antes eu executava: docker-compose scale app=3, como faço isso com o docker stack?”, não se preocupe, você continuará tendo a possibilidade de escalar a sua stack, vamos lá: Já sabemos que o docker deploy criar todos os serviços necessários para a stack, certo? Pois bem, para escalar algum componente da sua stack, basta você escalar o serviço, da mesma forma como se você estivesse manipulando um serviço dentro do swarm, veja:

$ docker service ls
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
cnnabnpqkjvy app_redis replicated 1/1 redis:latest
pcn4urntqn8l app_nginx replicated 2/2 nginx:latest

Agora vamos escalar o serviço de nginx da minha stack app:

$ docker service scale app_nginx=4
app_nginx scaled to 4

E o resultado é:

$ docker service ls
ID NAME MODE REPLICAS IMAGE
cnnabnpqkjvy app_redis replicated 1/1 redis:latest
pcn4urntqn8l app_nginx replicated 4/4 nginx:latest

Ou seja, escalei apenas o nginx.

 

“Ok, muito bonito, mas como eu acesso a minha stack?”

Boa pergunta, mas é claro que há uma resposta, e é aqui que vem a parte mais legal ;).

Vamos voltar ao docker-compose.yml que usamos para criar essa stack, veja essas linhas:

nginx:
    image: nginx
    ports:
        - 80:80

Preste atenção no parâmetro: ports, ali você define em qual porta o serviço vai ouvir, neste caso, o nginx estará trabalhando na porta 80, ou seja, o serviço no cluster de swarm estará disponível para acesso através da porta 80, e todos os nós do cluster, quando receberem alguma requisição na porta 80 encaminharão para o container que atende este serviço (utilizando uma das funcionalidade do docker swarm que é a rede de serviço em mesh).
Quando escalamos um serviço, dizemos ao docker para adicionar mais containers para atender as requisições que estarão sendo feitas para o mesmo, ou seja, teremos diversos containers atendendo um único recurso que é o serviço, e o swarm se encarrega de distribuir os acessos para todos os containers.

 

“Ta bom, me convenceu, mas como removo tudo agora pra fazer direito?”

Muito fácil, da mesma forma que o docker service, basta você executar:

$ docker stack rm app
Removing service app_redis
Removing service app_nginx
Removing network app_default

E serão removidos todos os serviços, containers e rede que tenham sido criadas pela sua stack.

Interessante não? Esperamos que tenha sido útil, se ficou com dúvida nos avisa que ajudamos. Por hoje era isso, nos ajude divulgando o blog e fique atento, teremos mais novidades em breve ;).

Abraço!

 

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker Compose v3

Olá pessoal, tudo bem?

 

Conforme falamos em um post anterior o Docker lançou uma nova versão a 1.13 e nessa nova versão tivemos diversas melhorias e com a entrada dessa nossa versão também tivemos a criação de uma nova versão no Docker Compose que é a v3. Essa nova versão é totalmente compatível com o Docker Swarm que hoje é nativo na mesma engine no Docker, então agora com Docker Compose podemos gerenciar nossos serviços através do Docker Swarm.

Agora com a V3 existe opção chamada deploy que é responsável por realizar as implantações e execução de serviços. Dentro dessa opção temos as seguintes funções:

  • Mode
    • Onde é possível escolher a opção “Global” (Um container por nó de swarm) ou “Replicated” (Onde posso escolher a quantidade de réplicas que estarão distribuídas entre os nós). O padrão é replicated.
    • Replicas
      • replicas: x
    • Global
  • Placement
    • Especifica restrições de posicionamento são elas:
      • node.id = idworker
      • node.hostname = nomeworker
      • node.role = manager ou worker
      • node.lables = nome
      • engine.labels = Sistema Operacional ou Driver
  • Update_config
    • Configura como devem ser as opções de atualizações dos serviços.
    • Parallelism: 5 #O Numero de containers que vão ser atualizados em paralelo.
    • delay: 10s #O tempo entre cada grupo de containers será atualizado
    • failure_action: pause ou continue #O que irá acontecer se a atualização falhar. O padrão é pause.
    • monitor: 0s # Duração após cada atualização para monitorar a falha. O padrão é 0s.
    • max_failure_ratio: #Taxa de falha para atualizar.
  • resources
    • Configura a restrição de recursos
      • limits:
        • cpus: ‘0.5’ # 0.5 representa 50% de um núcleo, porem pode ser 1 ou 1.5 ou 2….
        • memory: ‘512M’ #apenas especificar o prefixo M, G, K….
  • Restart_policy
    • Configura como reiniciar os containers quando eles derem exit.
      • condity: none on-failure any #Por padrão é any
      • delay: 0s #Tempo entre as tentativas de reiniciar o containers #Por padrão é 0s
      • max_attempts: 0 #Quantas vezes irá tentar subir o container antes de desistir #Por padrão é nunca desistir.
      • window: 0s #Quanto tempo demora para decidir se um reinicio foi bem sucedido  #Por padrão é imediatamente,

 

Alem dessas opções, com a entrada da V3 foram descontinuadas as seguintes opções do Docker Compose: volume_driver, volumes_from, cpu_shares, cpu_quota, cpuset, mem_limit, memswap_limit

Agora vamos demonstrar um exemplo de como ficaria o docker-compose.yml com essas opções que mostramos acima.

version: "3"
services:

  redis:
    image: redis
    ports:
      - "6379"
    deploy:
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
  nginx:
    image: nginx
    ports:
      - 80:80
    depends_on:
      - redis
    deploy:
      mode: replicated
      replicas: 2
      placement:
        constraints: [node.role == manager]
      resources:
        limits:
          memory: 512M
      restart_policy:
        condition: on-failure
        delay: 10s

Executando o comando docker deploy --compose-file docker-compose.yml nomedastack criamos a stack mencionada acima em nossa estrutura. Após executar esse comando é possível dar um docker stack ls e você poderá ver que a sua stack foi criada, com o nome da sua stack você pode executar o docker stack services nomedastack e poderá ver os serviços criados e qual o seu status.

Então ta pessoal, por hoje era isso, espero que tenham gostado e qualquer dúvida é só deixar um comentário que estaremos felizes em lhe ajudar, nos ajude divulgando o blog obrigado!

 

Trabalha em uma Startup com foco em Plataforma como Serviço (PaaS), é especialista em Cloud Computing e Conteinerização, desenvolve todo dia uma nova maneira de resolver problemas e criar coisas novas.

Docker 1.12 – O que vem por aí

Oi Pessoal,
Já vimos aqui no blog algumas ferramentas e soluções, como por exemplo: Docker Compose, Docker Swarm, SwarmkitDocker Network, dentre outros. Bom, o que você sabe sobre elas é essencial para entender a nova versão do Docker, que será lançada em agosto e que está em RC4 atualmente.

A grande novidade no Docker 1.12 é ter a orquestração nativa, sem a necessidade de ter duas ou mais ferramentas para criar seu cluster de Docker, basta apenas que você tenha a engine instalada e a partir dela poderá montar seu ambiente. Outra grande novidade é o conceito de serviço, esse conceito nós já tratamos em Swarmkit, e é algo que foi incorporado ao Docker para facilitar o deploy e escalonamento das aplicações. Vamos ver o que muda?

Orquestração:

Agora para você criar um cluster de Docker, basta rodar:

docker swarm init

Com isso você iniciará o primeiro nó do cluster, para adicionar mais nós ao cluster execute o seguinte comando em outro nó:

docker swarm join IP-DO-MANAGER:2377

Veja na imagem abaixo a sequência de comandos:

docker_swarm

Serviços:

No Docker 1.12 foi introduzido o conceito de serviço, que já existe no Kubernetes, e que agora possibilita a criação, atualização e escalonamento da sua camada de serviço (seja ela de frondend ou backend) de forma muito mais fácil. Por exemplo:

docker service create --replicas 1 --name servico1 alpine echo "Ola Mundo"

Dessa forma você estará criando um serviço com um container de Alpine, você pode aumentar a quantidade de containers que irão atender este serviço, para isso execute:
docker_service

Além de poder criar e escalonar, você pode ainda realizar a atualização de seu ambiente, basta utilizar o comando update, e pode ainda definir uma politica de atualização (por exemplo, executar a atualização em um container por vez, com isso ele removerá um container e iniciará um novo baseado na nova imagem). Você pode ainda, definir um bloco de rede para cada serviço, com isso você isola totalmente os ambientes, veja:

docker service create --replicas 3 --name webservers --network web --publish 80:80/tcp nginx

Dessa forma, serão criados 3 containers (caso você tenha colocar 2 ou mais hosts no cluster de Swarm, será criado um container por host). O mais interessante nesse ambiente é que, se você acessar a porta 80 de qualquer host que esteja no cluster Swarm, seu acesso será redirecionado ao serviço, independente se o container esteja nele ou não, isso por que o Docker garante que o serviço esteja acessível mesmo que um nó venha a falhar. E como o Docker faz isso? Simples, através da 3 feature adicionada nessa versão:

Roteamento:

Quando você criar um cluster via Docker Swarm, o Docker se encarregará de atribuir ao serviço um identificador único dentro do cluster, com isso, quando for solicitado acesso á porta exposta na criação do serviço, o acesso será roteado para o container que é responsável por aquele serviço (ou mais de um é claro), ele faz isso através do algoritmo de routing mesh que está presente na engine, ele identifica quem possuí o container que atende o serviço e redireciona o trafego para ele, por isso é importante que, quando você criar um novo serviço define uma rede também, pois reduzirá o tempo de processamento que a engine precisará para identificar onde encontra-se o container.

Segurança:

Por último e não menos importante, vem a questão de segurança. No Docker 1.12, toda a comunicação do cluster é realizada via tls, e quem garante o rotacionamento desses certificados (renovação e deploy) assim como a criação de certificados para novos nós é o nó manager, que é eleito baseado em uma série de parâmetros (disponibilidade e saúde), mas que de maneira geral é o primeiro nó onde você iniciou o cluster. Os certificados são rotacionados de tempos em tempos, e você pode modificar essa politica também.

Há mais coisas? Claro! Foi adicionado também um sub comando do comando docker plugin que permite você plugar de forma mais fácil os plugins do Docker, quando você realizar um docker plugin install nome_do_plugin, lhe será informado ao que exatamente aquele plugin terá acesso, e poderá assim permitir ou não sua instalação.

Bacana né? Se gostou nos ajude divulgando o blog e caso tenha dúvida nos avise 😉

Grande Abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.

Docker Compose

Oi pessoal,

Seguindo nossa série de posts sobre as ferramentas do ecossistema Docker, hoje veremos um pouco mais sobre o Docker Compose, uma ferramenta que agilizar no deploy de seu ambiente, utilizando uma forma simples, claro e padronizada.

O Docker Compose é uma ferramenta para a criação e execução de múltiplos containers de aplicação. Com o Compose, você usar um arquivo do tipo yaml para definir como será o ambiente de sua aplicação e usando um único comando você criará e iniciará todos os serviços definidos.

Compose é ótimo para desenvolvimento, testes e homologação, bem como para melhorar seu fluxo de integração continua. Por exemplo:

  • Em ambiente de desenvolvimento: Você pode utilizar ele para simular todo o ambiente de produção, ou seja, precisando de serviço redis, php, mysql? Basta definir isso em um arquivo .yml e quando você executar o docker-compose up, todo esse ambiente está disponível para você, todas as dependências que sua stack precisa estará configurada e disponível para uso. Isso sem contar que este ambiente poderá ser isolado, sem depender ou prejudicar o trabalho dos demais da equipe.
  • Automação de testes: Uma das premissas básicas para desenvolvimento e integração continua é ter uma base de testes automatizada, isso para garantir qualidade e agilidade na entrega de novas releases de sua aplicação. Pensando nisso, você pode utilizar o docker compose para criar sua própria suite de testes, e precisando apenas executar um docker-compose up para testar os 50, 100, 200 requisitos que você definiu.

Para utilizar o docker-compose você precisa ter em mente que será necessário seguir essas três etapas:

  1. Definir o ambiente necessário para sua aplicação utilizando um Dockerfile (que pode ser reproduzido em qualquer lugar que tenha Docker instalado);
  2. Definir no arquivo .yml  quais serviços são essenciais para sua aplicação e a relação entre elas.
  3. Executar o comando docker-compose up para que seu ambiente seja criado e configurado.

Fácil certo? Vamos praticar?

Instalação

Bem simples, basta executar o seguinte comando (caso Linux), se você estiver utilizando em Windows via Docker ToolBox você já terá disponível o docker-compose. Vamos lá:

curl -L https://github.com/docker/compose/releases/download/1.5.2/docker-compose-`uname -s`-`uname -m`
\ > /usr/local/bin/docker-compose

Depois:

chmod +x /usr/local/bin/docker-compose

Compose eu escolho você

Vamos testar com um WordPress, é fácil:

  1. Criar um diretório de trabalho (mkdir /my-app);
  2. Faça download do WordPress: cd /my-app; curl https://wordpress.org/latest.tar.gz | tar -xvzf –
  3. Criar um arquivo Dockerfile com o seguinte código:
    FROM orchardup/php5
    ADD . /app
    
  4. Criar um arquivo my-app.yml com o código:
    web:
      build: .
      command: php -S 0.0.0.0:8000 -t /my-app
      ports:
        - "80:8000"
      links:
        - db
      volumes:
        - .:/my-app
    db:
      image: orchardup/mysql
      environment:
        MYSQL_DATABASE: wordpress
    
  5. Certifique-se de que seu wp-config esteja parecido com este:
    <?php
    define('DB_NAME', 'wordpress');
    define('DB_USER', 'root');
    define('DB_PASSWORD', '');
    define('DB_HOST', "db:3306");
    define('DB_CHARSET', 'utf8');
    define('DB_COLLATE', '');
    
    define('AUTH_KEY',         'put your unique phrase here');
    define('SECURE_AUTH_KEY',  'put your unique phrase here');
    define('LOGGED_IN_KEY',    'put your unique phrase here');
    define('NONCE_KEY',        'put your unique phrase here');
    define('AUTH_SALT',        'put your unique phrase here');
    define('SECURE_AUTH_SALT', 'put your unique phrase here');
    define('LOGGED_IN_SALT',   'put your unique phrase here');
    define('NONCE_SALT',       'put your unique phrase here');
    
    $table_prefix  = 'wp_';
    define('WPLANG', '');
    define('WP_DEBUG', false);
    
    if ( !defined('ABSPATH') )
        define('ABSPATH', dirname(__FILE__) . '/');
    
    require_once(ABSPATH . 'wp-settings.php');
    
  6. O que falta? docker-compose up no diretório onde você criou o Dockerfile e o  my-app.yml.

Agora é só acessar: http://ipdamaquina e prosseguir com a instalação do Woprdress normalmente, o que o Compose fez então? No passo 3 nós criamos um arquivo Dockerfile contendo a descrição da imagem que queremos criar e que será utilizada como base para o nosso ambiente, no passo 4 nós definimos qual era esse ambiente, veja que definimos 1 container para atender requisições web e 1 banco de dados, quando executamos o docker-compose up ele criará a imagem baseado no Dockerfile e criar os containers de serviços que definimos no my-app.yml. O mais legal, você pode quer escalar seu ambiente, ter mais containers web? docker-compose scale web=5 e o Compose criará e iniciará 5 containers do serviço web que definimos no my-app.yml.

Alguns dados importantes sobre o Docker Compose:

  • O Compose preserva todos os volumes atribuídos aos seus serviços, por exemplo, quando você executa o docker-compose up, se você já tiver algum outro container utilizando o volume informado, o Compose copiará o volume do container antigo para o novo container, sem perder nenhuma informação.
  • O Compose recriará apenas containers cujas configurações foras modificadas, caso contrário ele se baseará nas configurações que ele já tem armazenada em cache, isso é muito útil principalmente para provisionar e escalar seu ambiente de forma muito mais rápida.

Você ainda pode utilizar o Docker Compose juntamente com o Docker Machine e provisionar seu ambiente em qualquer lugar que precisar, isso é ainda mais útil para quem tem seu serviço de infraestrutura terceirizado com outros provedores (AWS, Digital Ocean, etc).

Gostou? Ótimo! nos ajude divulgando o MundoDocker, não gostou? Não tem problema, deixa seu feedback para que possamos melhorar cada vez mais 😉

 

Abraço!

Entusiasta Open Source, seu principal foco é ir atrás de ideias novas e torna-las realidade através de soluções simples e eficientes, o menos é mais, e o dividir é multiplicar.